Publicado em 10/11/2010 as 12:00am

Brasileiro casado com americano pode sofrer novo processo de deportação

O brasileiro Genésio Oliveira, de 31 anos, que recentemente se reuniu com seu cônjuge norte-americano, Tim Coco, 49 anos, após conseguir um visto temporário de asilo, pode enfrentar novamente um processo de deportação

   

O brasileiro Genésio Oliveira, de 31 anos,  que recentemente se reuniu com seu cônjuge norte-americano, Tim Coco, 49 anos,  após conseguir um visto temporário de asilo, pode enfrentar novamente um processo de deportação, segundo informações da agência Associated Press.

O procurador-geral Eric Holder já teria declinado para reverter uma decisão da justiça de imigração, que separou  o casal de Haverhill, Massachusetts, por mais de 3 anos. Oliveira voltou para os EUA em junho,  quando o senador John Kerry pressionou as autoridades federais para permitir que Oliveira voltasse ao país  por razões humanitárias. Porém, o brasileiro agora enfrenta o término do status de refugiado político e pode ser forçado a retornar ao Brasil dentro de seis meses.

Casados desde 2005, após a legalização de casamentos do mesmo sexo em Massachusetts, o publicitário Tim Coco e o brasileiro Genésio Oliveira, enfrentaram a difícil tarefa de viver separados por 3 anos. Durante este período, os dois se comunicavam via internet e lutavam  na justiça para conseguir o visto para o brasileiro poder viver novamente com o norte-americano.O brasileiro conseguiu um visto humanitário, o qual é liberado anualmente para cerca de 350 pessoas. O tempo de permanência é de apenas um ano.

Entre os argumentos utilizados por Kerry na defesa do brasileiro, está que ele sofreu de injustiça tanto aqui quanto no Brasil. Segundo o senador, os Estados Unidos não deveriam ter negado o pedido de asilo a Genésio, em 2002, quando ele alegou ter sido estuprado no Brasil por um médico, quando ainda tinha 16 anos de idade. “Infelizmente um juiz de Imigração, mesmo tendo provas da veracidade da história, negou o pedido, alegando que o brasileiro retornou duas vezes para o Brasil e nada aconteceu com ele”, explicou o político.

Fonte: (Da redação)