Publicado em 17/11/2010 as 12:00am

Brasileiro que morou em MA se encontrará com filho que nunca conheceu

Na última edição do BT, noticiamos o drama envolvendo o analista de sistemas Murilo Torres, de 22 anos, e a sua incansável busca pelo pai que nunca conheceu, o brasiliense Realino Ferreira Neto. Graças à reportagem, eles estão prestes a se encontrar pela

Na última edição do Brazilian Times, de número 1981, noticiamos o drama envolvendo o analista de sistemas brasiliense Murilo Torres, de 22 anos, e a sua incansável busca pelo pai que nunca conheceu, Realino Ferreira Neto, que imigrou para os EUA na época do seu nascimento.  No mesmo dia em que o jornal chegou às bancas, a nossa equipe de reportagem recebeu a ligação de Daniel Ferreira, outro primogênito de Realino, que reside nos EUA, e que foi criado pelo mesmo.  

Ainda surpreso pela matéria que expôs a procura pelo paradeiro de seu pai, Daniel se colocou como a peça-chave para concretizar o encontro de  Realino com seu irmão. “ Meu pai não mora mais em Somerville, se encontra em Brasília, e há muitos anos tenta saber notícias de Murilo” confidenciou o jovem. “Tenho os contatos dele no Brasil e já enviei um email para meu irmão falando que queremos muito conhecer ele, que estamos eufóricos de isso um dia acontecer” completou.  

Procurado pelo BT na tarde dessa terça-feira(16), Realino falou sobre a ansiedade de encontrar com o filho ‘desconhecido’. “ A minha história de vida sempre se confundiu com a minha esperança de um dia conhecer o meu filho. Nunca desisti de procurá-lo, sempre fiz contatos com parentes da mãe dele, com os meus parentes, mas nunca consegui de fato realizar o sonho de um dia estar de frente à frente com o Murilo”  salienta, no começo da conversa. “ Eu tive um relacionamento muito breve com mãe dele, apenas 2 meses, e decidi vir para os EUA enquanto ele estava na barriga da mãe. Ele nasceu quando eu já morava em Massachusetts. Tentei fazer contatos com meus parentes, e ele chegou até a morar um tempo com a minha mãe em Brasília, mas nunca o vi ou conheci. Esse é o meu maior sonho” revela. Sempre trabalhando em restaurantes, em diversas funções, ele fazia muitas horas e focava em fazer o dinheiro necessário para voltar para o Brasil com segurança. No intervalo das duas vezes que veio aos EUA( 1998 a 1991, e 2004 a 2008), ele continuou pela incessante busca por Murilo, e em um dos contatos com a mãe do garoto, afirmou que tinha planos de levá-lo para o país. “ Ele precisou fazer uma cirurgia no braço e a mãe dele me procurou para ter ajuda financeira no tratamento. Falei que queria ele aqui, que eu trataria dele nos EUA.” conta o brasiliense, que atualmente é motorista de caminhão na capital. Ele afirma que planeja passar o Natal desse ano na companhia do filho.

Já Murilo, ao saber do paradeiro do pai, não escondeu a emoção de saber do encontro. “ Há pelo menos 5 anos eu tento de todas as formas conhecer o meu pai, e por causa da matéria do Brazilian Times, estamos há um passo de ver isso se tornar realidade. Acho que sem a ajuda dessa reportagem e da velocidade da informação hoje em dia, seria praticamente impossível” afirma ele, pontuando que a busca foi feita baseada apenas numa foto antiga do pai datada de 2003, o seu nome completo, e a informação de que ele residiria em Somerville- MA. “ Conheci umas 3 pessoas que me ajudaram a conseguir informações sobre o que ele fazia aí no país, mas após muito tempo tentando um telefone de contato dele, essas pessoas sumiram, e atualmente não tinha ninguém que poderia me ajudar na procura” disse o analista de sistemas, que já tem o contato do pai e essa semana planeja realizar a primeira ligação à Realino, marcando o encontro.

O jovem diz não saber como seria o primeiro contato com o pai, nem o que falaria para ele caso o reencontro se concretizasse. “É difícil prever como vai ser. Eu nunca o conheci, não tenho relação afetiva com ele, sinceramente acho que é melhor deixar para saber na hora, mas sem dúvida vai ser forte e revelador” confidenciou.

 

Fonte: (Da redação)