Publicado em 28/01/2011 as 12:00am

GMB elogia discurso de Obama, mas pede ação

O Grupo Mulher Brasileira recebeu bem a defesa do DREAM Act e da necessidade de uma lei de reforma da imigração, feita pelo presidente Barack Obama na noite de terça-feira

 

O Grupo Mulher Brasileira recebeu bem a defesa do DREAM Act e da necessidade de uma lei de reforma da imigração, feita pelo presidente Barack Obama na noite de terça-feira, durante a apresentação do seu plano de trabalho para os próximos anos.

Na ocasião, ao apresentar suas metas ao Congresso dos Estados Unidos, Obama falou da importância de legalizar os estudantes indocumentados para que possam ir para a faculdade e defendeu uma união partidária para o estudo e implementação de uma nova lei de imigração.

“Não é a primeira vez que o Presidente se manifesta em favor destes dois projetos, mas nós precisamos de ação. As autoridades federais e estaduais têm de agir em consonância com a disposição do Presidente”, disse a diretora-executiva do Grupo Mulher Brasileira, Heloisa Maria Galvão. “A declaração e o posicionamento do Presidente são muito importantes, mas ele não pode dizer uma coisa e seu governo fazer outra”, continuou Heloisa, que considera imprescindível o fim das batidas da imigração, a suspensão imediata das deportações e a não implementação de programas controvertidos como o Comunidades Seguras. “Estas medidas aterrorizam nossas comunidades e colocam nossas famílias em risco pois elas não confiam na autoridade mesmo quando correm risco de vida”.


O Grupo Mulher Brasileira está conclamando a comunidade a contactar o Presidente Obama através do link http://www.whitehouse.gov/CONTACT/ e o Governador do estado, Deval Patrick, pelo telefone 617-725-4005.

Em dezembro último, Deval Patrick anunciou sua intenção de implementar o programa “Comunidades Seguras” em Massachusetts, alegando não ter escolha pois é uma decisão do governo federal. Este programa coloca a polícia trabalhando com a imigração, de maneira que qualquer pessoa presa terá suas impressões digitais checadas no sistem de dados do país. Se a pessoa não tiver documentos, será entregue à imigração.

“É importante que toda a comunidade se manifeste contra esta decisão do Governador. Se ficarmos caladas, ele vai entender como concordância”, frisou Heloisa. O GMB considera a implementação do programa “desnecessária e injusta, um completo desastre”.

Fonte: (Da redação)