Publicado em 2/03/2011 as 12:00am

Brasileiro é acusado de estuprar criança em Framingham/MA

Joaquim Teodoro Da Silva, de 29 anos, teve fiança estipulada em $75.000 e era procurado pela Immigration and Customs Enforcement (ICE)

 

Um brasileiro de Framingham – MA, foi preso nessa segunda- feira ( 28), acusado de estuprar uma criança na cidade. Joaquim Teodoro Da Silva, de 29 anos, teve fiança estipulada em $75.000 e era procurado pela Immigration and Customs Enforcement (ICE).

O brasileiro, que reside na Fountain Street, é também conhecido como Vinicius Cunha, e foi acusado de estuprar e agredir uma criança menor de 14 anos. A acusação é ligada ao abuso de uma criança , que ocorreram em 3 períodos diferentes, envolvendo a mesma vítima, de acordo com a Polícia de Framingham.

Joaquim também tinha um pedido de procura expedido pela Immigration and Customs Enforcement ( ICE), para ser deportado. Agora, ele terá que responder pelas acusações no país, antes de cumprir pena e finalmente ser deportado. Ele foi preso na cidade de Acton, às 2:45 p.m de segunda – feira. Ele agora volta à Côrte no dia 31 de Março para uma audiência prévia do caso, segundo o jornal MetroWestDailyNews.

Abuso infantil e brasileiros em MA

O brasileiro Francisco Wellington Barros-Gomes, 27 anos, responde também a um processo envolvendo o estupro de uma criança em uma loja na cidade de Sturbridge, em Massachusetts. O crime de estupro, segundo a promotoria, aconteceu em 2009 . Em junho do ano passado, a Justiça acatou a denúncia contra ele, feita pelo Ministério Público. Além de responder por estupro, ele também é acusado por outros crimes sexuais, atentado ao pudor e assédio à uma criança.

No processo de acusação consta que Wellington foi preso depois que a polícia de Sturbridge foi acionada para atender a uma ocorrência onde uma criança teria sido violentada no interior de um provador das lojas J.C. Penney. O brasileiro trabalhava na sessão infantil do estabelecimento.

Ainda segundo a denúncia, a mãe teria deixado o garoto sozinho para falar ao celular. Foi então que Wellington se ofereceu para mostrar mais roupas e teria, então, “atacado o garoto”, cuja idade não foi revelada, mas a promotoria afirma que a vítima teria entre 12 e 16 anos. Atualmente, ele aguarda julgamento sob liberdade condicional, sendo monitorado com a utilização de uma tornozeleira eletrônica.

Fonte: (Da redação)