Publicado em 16/03/2011 as 12:00am

Brasileira pode ser expulsa de hospital por ser indocumentada

A carioca Liduína Vieira da Silva, de 58 anos, está há quase 3 meses internada nas dependências do Boston Medical Center

Em um mais um exemplo da fragilidade  do sistema migratório dos EUA, uma brasileira de Massachusetts vítima de um derrame, está prestes a ser expulsa de um hospital de Boston, por ser indocumentada, mesmo não estando apta a receber alta dos médicos. A carioca Liduína Vieira da Silva, de 58 anos, está há quase 3 meses internada nas dependências do Boston Medical Center, e após uma cirurgia para correção de um Marca-Passo, e um subsequente derrame, está ainda muito debilitada.

Vivendo há 24 anos no país trabalhando como ‘dishwasher’, Liduína criou o seu único filho, Ivo Oliveira, de 18 anos, através de muito suor e determinação. “ Se completei boa parte dos meus estudos e estou planejando ir para o College é porque ela me deu condições para isso. Minha mãe é uma pessoa que sempre trabalhou muito duro para manter a nossa casa e os meus estudos” afirma o filho, de 18 anos, que assumiu o trabalho da mãe, após a sua hospitalização.  Ivo faz visitas regulares à mãe no hospital e está sob custódia de um amigo da família, Sérgio de Assis. “ O hospital afirma que o Free Care que ela possui ( Health Safety Net) não irá cobrir mais dias de internação, então eles querem forçar uma liberação da paciente que não poderia existir em uma circunstância normal. Até nos passaram um endereço de um abrigo público, com outras pessoas desabrigadas, para levá-la. Isso é totalmente desumano” relata Sérgio, que é amigo de Liduína há mais de 20 anos.

Segundo o filho Ivo, a mãe já tinha um Marca-Passo há muitos anos, e sofria com constantes choques no peito, o que fez os médicos decidirem por uma cirurgia corretiva em dezembro. “ Ela fez a cirurgia e parecia estar melhor nos primeiros dias. Mas logo depois começou a sentir novos choques no peito. Os médicos queriam dar a ela um remédio que poderia causar derrame, atacava os rins e o pulmão, e ela não queria tomar de forma nenhuma. Mas após a cirurgia não resolver o problema dos choques, ela não teve escolha e teve que seguir a recomendação dos médicos” relata o filho, que nasceu nos EUA. Após a internação no hospital e a prescrição dos remédios, o que a brasileira temia, aconteceu, o derrame. “ Desde dezembro, ela está internada no hospital com metade do corpo paralisado e praticamente em estado vegetativo, tendo que ser alimentada por sondas e sem poder se movimentar apropriadamente. “ Estamos assustados com a falta de humanidade do hospital no tratamento da Liduína, e vamos lutar onde podemos para ela obter o melhor tratamento médico disponível. Estamos até mesmo pensando em levá-la para o Brasil, mas os custos seriam altíssimos, e  não temos condições nesse momento” diz Sérgio, revelando que o hospital deu apenas mais uma semana para a brasileira permanecer internada no local.

Outro fator que tem preocupado os parentes da brasileira, é pelo fato de ela ter sofrido um acidente enquanto estava no hospital, caindo da cadeira de rodas, e machucando o rosto na colisão com o chão. “ Além de justificarem que ela é indocumentada, acreditamos que eles não querem assumir a responsabilidade pelo fato que ela sofreu um acidente dentro do hospital, e estão querendo liberá-la logo, antes que sofram algum tipo de processo” afirma Sérgio. Até o fechamento dessa edição,  a assistente social do Boston Medical Center não foi encontrada para falar sobre o episódio.

Quem quiser contribuir com qualquer quantia para custear a viagem de Liduína ao Brasil e as dívidas hospitalares, pode fazer um depósito direto na conta da brasileira :

Conta – Liduina V da Silva

Citizens Bank

1311755338 - conta

Fonte: (da redação)