Publicado em 13/05/2011 as 12:00am

Brasileiro que morou em MA é acusado de assassinato

O ex-mecânico e suposto 'coiote' Geovando Ferreira Terra, de 34 anos, é acusado de assassinar a facadas o policial civil André Caldeira Brant, 22 anos. Investigadores acreditam em crime passional

Um brasileiro que residiu em Massachusetts é acusado de assassinar o investigador da Polícia Civil de Conselheiro Pena – MG, André Caldeira Brant, 22 anos, no mês passado. O ex-mecânico e suposto ‘Coyote’ Geovando Ferreira Terra, de 34 anos, foi preso em Vila Velha/ES há duas semanas, e segundo os investigadores, ele se preparava para sair do Brasil, possivelmente em retorno aos EUA. Acredita-se que o crime tenha ocorrido por conta da relação extraconjugal de sua esposa, Andréia de Souza, 24 anos, com o policial.

Transferido para Governador Valadares/MG, ele aguarda as investigações e o julgamento detido, em função do crime passional. Suspeita-se que a vítima, o jovem policial André Caldeira Brant, 22 anos, mantinha um relacionamento com a também agente policial e esposa de Geovando, Andréia de Souza. Investigadores acreditam que o marido teria pego os dois em flagrante em sua própria casa.

Revoltado e no calor da raiva, Geovando pegou uma arma e tentou atirar no policial. Desesperado com a reação do policial, que não se esquivou da briga, o acusado acertou a golpes de facas, a vítima, e jogou o corpo em uma lagoa situada na cidade de Galiléia – MG. Acredita-se que Andréia tenha sido cúmplice do homicídio.

Segundo dados da polícia local, Geovando planejava viajar à Guatemala para realizar um trabalho de Coiote, ajudando alguns imigrantes a atravessar a fronteira dos EUA. Através de uma fazenda situada próxima do Vale do Rio Doce, em Minas Gerais, ele organizava e reunia os imigrantes para a travessia na América.

A família desconhecia o envolvimento de André com uma mulher casada. A Polícia Civil informou que Andréia foi indiciada pelo crime de ocultação de cadáver. Ela foi presa e transferida para a penitenciária Nelson Hungria, em Belo Horizonte. Ela teria alegado que Geovando estava fora da cidade há 15 dias, mas se desmentiu em um depoimento de contradição o qual disse que o marido matou André após surgir inesperadamente durante um ato sexual entre os dois. Andréia afirma ter sido  obrigada por Geovando a enrolar o corpo da vítima em um lençol, e colocá-lo na parte traseira de uma caminhonete para a desova no rio.

Uma multidão acompanhou o velório de André em Governador Valadares. Andréia permanece detida em uma penitenciária em Belo Horizonte, e, conforme a Secretaria de Estado de Defesa Social, será demitida do cargo, mesmo que seja inocentada das acusações de participação no crime.

Fonte: (da redação)