Publicado em 18/05/2011 as 12:00am

Filha de imigrante morto processa penitenciária de Boston

A filha de um imigrante morto em uma penitenciária de Boston- MA em 2009, entrou com um processo judicial contra a cadeia, a Suffolk County House of Correction

A filha de um imigrante morto em uma penitenciária de Boston- MA em 2009, entrou com um processo judicial contra a cadeia, a Suffolk County House of Correction, pela acusação de negligência no atendimento ao detento. Pedro Alvarez, que tinha 49 anos, morreu de parada cardíaca na prisão, enquanto esperava a deportação. O caso revoltou grupos pró-imigrantes e em favor dos direitos humanos, além de familiares da vítima, que afirmam que a morte poderia ter sido prevenida.

O processo foi realizado no domingo(15) pela filha da vítima, Judith Tavarez, através do site da U.S. District Court . Ela exige o ressarcimento financeiro pelo episódio, afirmando que a penitenciária falhou ao socorrer seu pai. Ela também afirma no processo que o ataque cardíaco foi causado por uma infecção que não foi tratada pelo setor médico da instituição. Segundo alegações de um advogado da cadeia, para o jornal Boston Globe, ‘o processo não cita nominalmente nenhum emprego da penitenciária’.

Preso aguardando a ordem de deportação, Pedro Tavarez, de 49 anos, morreu de parada cardíaca há 3 anos na cadeia de Suffolk County – MA, onde esperava deportação. Na noite do dia 19 de outubro, o imigrante de nacionalidade dominicana se sentiu mal, e já no atendimento do hospital, não agüentou e morreu após o ataque fulminante. Na época do ocorrido, o  porta-voz da Medical Examiner’s Office, Terrel Harris, afirmou que a morte foi de causas naturais.

Apesar da declaração oficial, os parentes e amigos de Pedro ainda se mantinham certos de que a tragédia poderia ter sido evitada.  Eles afirmam que o motorista aposentado não tinha antecedentes de problemas cardíacos e que as autoridades deveriam investigar o caso mais a fundo antes de concluir algo. “ Para a gente , isso não foi natural. Ele não era doente, e não tinha nenhum problema cardíaco” afirmou sua irmã, a housecleaner de Bronx – NY, Milady, ao jornal Boston Globe.

O Escritório Federal de Responsabilidade Profissional,  que é parte da US Immigration and Customs Enforcement, ainda  investiga a morte. Familiares afirmam que ele sofria de diabetes e pressão alta, mas não tinha problemas cardíacos sérios. Oficiais de Imigração revelaram que Tavarez foi levado para 3 diferentes hospitais no dia em que passou mal, com suspeita de pneumonia. Ele ainda recebeu tratamento para as condições cardíacas e respiratórias antes de ele morrer no Brigham and Women’s Hospital in Boston.

 A advogada Laura Rótolo, que recentemente realizou uma pesquisa em centros de detenção, disse que outros detentos tem reclamado sobre o longo prazo que eles tem que esperar para receber assistência médica. “ Ainda há questões pendentes sobre a possibilidade dessa tragédia ter sido prevenida” afirmou.

Pedro foi levado para a penitenciária de Suffolk em 21 de Setembro, após pular de cadeia em cadeia, esperando a deportação. Ele desembarcou nos anos 70 ilegalmente e teve ordem de deportação expedida em 1988, após ser pego com drogas. Além de ignorar a primeira ordem, ele foi pego novamente em 2007, mais uma vez com posse de drogas, em Rhode Island. A família acredita ter gasto mais de $20.000 em despesas com a justiça.

Fonte: (da redação)