Publicado em 20/06/2011 as 12:00am

Palestra informa sobre cidadania a jovens brasileiros

O renomado jornalista Gilberto Dimenstein, visitou a Fuller Middle School, em Framingham, onde falou para jovens brasileiros sobre cidadania, sociabilidade e auto-reconhecimento

Você já se sentiu invisível? Foi com essa pergunta que Gilberto Dimenstein, um dos jornalistas brasileiros de maior prestígio internacional, i

niciou sua conversa sobre cidadania com os alunos brasileiros da professora Vanda Figueiredo, na Fuller Middle School, em Framingham, Massachusetts. Sua visita à sala da professora Vanda  aconteceu na última segunda-feira (13), quando ele conversou com um grupo de vinte e três adolescentes de sétima e oitava séries na sala de Língua Portuguesa.  Dimenstein pediu para que os alunos trabalhassem em grupos para discutir  e escrever sobre alguma vez em  que eles haviam se sentido invisíveis.  Cada aluno teve a oportunidade de compartilhar sua experiência com a classe. Em seguida, Dimenstein perguntou-lhes o que  havia em comum entre eles.  Fabrício Oliveira respondeu dizendo: “Todos nós já passamos pela mesma experiência de nos sentirmos invisíveis um dia.” 

Com seu carisma e eloquência, Dimenstein  cativou o grupo de adolescentes  e continuou a conversa perguntando qual era o sentimento que tiveram quando se sentiram invisíveis. “Perdida e muito triste”, declarou a estudante Beatriz Damascena.  Muitos relataram que se sentiram invisíveis quando chegaram aos Estados Unidos pela primeira vez. “Eu me senti invisível quando cheguei aqui nos Estados Unidos na quarta-série, pois não sabia falar inglês ainda, não tinha amigos e muitos zombaram de mim. Foi terrível. Fiquei até com depressão”, afirmou a aluna Lysandra Lima. Dimenstein falou de um assunto que foi imediatamente relevante para esses adolescentes , pois puderam desenvolver um senso de conexão,  uma vez que eles puderam se conhecer melhor e de uma maneira descontraída.    O jornalista  e educator usou essa discussão como um elo para engajar os alunos numa conversa sobre a realidade  das crianças de rua do Brasil, que muitas vezes são invisíveis para a sociedade. Ele mostrou a foto de um menor de rua, publicada no seu livro “O Cidadão de Papel”, sendo agredido por um policial militar em São Paulo e enfatizou que essa cena representava a ausência de cidadania. Concluindo , ele pontuou que ser cidadão é ter seus direitos e deveres respeitados.  “Cidadania é um grupo de direitos que as pessoas têm e que as faz se sentirem visíveis”, acrescentou Dimenstein. Ele ressaltou também a importância da valorização dos estudos, dizendo que os alunos deveriam se sentir privilegiados por terem a oportunidade de estudar numa escola como a Fuller Middle School e pediu que eles comparassem a realidade da escola deles nos EUA com a realidade de muitas escolas  públicas no Brasil.

O jornalista continuou sua palestra falando de responsabilidade social ao introduzir seu livro “O Rosto Invisível” que será lançado em agosto.   Cada aluno recebeu uma fotocópia em preto e branco do mesmo. Esse livro retrata a realidade de crianças e velhos que vivem nas ruas de grandes metrópoles brasileiras e a indiferença de muitos para com esses “cidadãos.” “Eu gostei da conversa com Dimenstein porque aprendemos  sobre como o trabalho dele é importante  e também como os meninos de rua se sentem em relação à maneira como vemos a sociedade”, afirmou o estudante João Marcos Peixoto. Para alegria dos alunos, Dimenstein disse que irá presenteá-los com uma cópia do seu livro quando este for publicado.

A professora Vanda conversou com Dimenstein após uma de suas apresentações na Universidade de Harvard , convidou-lhe para visitar sua sala de aula e ele prontamente aceitou seu convite.  Atualmente, ele  é membro da Advanced Leadership Iniciative (Iniciativa deLiderança Avançada), em Harvard, que tem como meta incentivar líderes para combater problemas globais.

Nas suas aulas de Português, Vanda procura sempre enfocar assuntos  multiculturais e sociais, e já havia trabalhado com seus alunos em vários textos de Dimenstein, incluindo textos do seu livro “O Cidadão de Papel”, no qual ele discute cidadania, mortalidade infantil e direitos humanos,  entre outros tópicos de igual importância. Esse trabalho serviu de base para que  os alunos ficassem ainda mais interessados em conhecer e ouvir Dimenstein.

Segundo os estudantes, a palestra de Dimenstein  foi uma excelente oportunidade de aprendizagem:  “Sua visita nos proporcionou uma  ótima experiência e uma excelente dinâmica com o principal assunto, a invisibilidade social”, afirmou a aluna Luana Duarte.  Para outros a conversa que tiveram com Dimenstein foi importante porque fizeram conexões com os assuntos que eles ja haviam estudado sobre o Brasil. “Eu achei que a visita de Dimenstein foi importante para nossa sala porque ele falou sobre assuntos que nós já havíamos discutido nas aulas de português”, acrescentou Beatriz Damascena.  

Fonte: ( TEXTO ? Da redação/ Vanda Figueiredo)