Publicado em 22/06/2011 as 12:00am

Chefe de polícia promete caçar imigrantes em New Hampshire

Várias cidades de New Hampshire deixaram claro para a administração Obama que se o Governo Federal não agir no setor de Imigração, elas farão suas próprias leis

O chefe de polícia da cidade de Hudson, no estado de New Hampshire, Richard Gendron, disse que não tem nada contra a imigração, desde que seja pela porta da frente. Quanto aos indocumentados que entraram pela fronteira, ele promete ser duro e não dar sossego. “Quem for apanhado em minha jurisdição não terá perdão e responderá por estar ilegalmente nos Estados Unidos”, ameaça.

Os polícias sob o comendo de Grendon tem realizados constantes operações que já resultaram na prisão de três mexicanos e quatro brasileiros, os quais estavam indo para seus locais de trabalho (restaurante e paisagismo). Ele garante que todos que forem pegos e estiverem em situação ilegal no país serão colocados à disposição da justiça para serem deportados. A atitude do chefe gerou alguns telefonemas de apoio e ele promete não desistir de promover operações para abordar imigrantes.

Várias cidades de New Hampshire deixaram claro para a administração Obama que se o Governo Federal não agir no tangente à imigração ilegal, elas farão suas próprias leis. Outros regiões estão tentando seguir o mesmo caminho, entre elas Danbury (Connecticut), onde o prefeito Mark Boughton, convocou a polícia local para prender imigrantes indocumentados.

Em Idaho, o comissão Robert Vasquez, do condado de Canyon, fez uma proposta para que os empregadores de imigrantes sejam processados. No mesmo caminho estão cidades do Arizona, Califórnia e Colorado.

O chefe Grandon afirma que capturar imigrantes indocumentados não é uma questão federal e que as cidades devem agir com rigor. “O que precisamos é aplicar a lei e quando alguém cruza a fronteira sem autorização, está cometendo um crime”, ressalta.

Ele esta tentando apoio junto á Corte de sua jurisdição para que oficialize a prisão dos indocumentados e o libere para agir. Apesar de não ter certeza de receberá o aval para continuar suas prisões, ele demonstra estar bastante animado e conta também com o apoio de meia dúzia de legisladores que pretendem mudar as leis no estado.

INDECISÃO

A revolta contra o marasmo do Governo Federal está se espalhando e cada vez mais cidades optam por agir com as próprias mãos para conter a imigração ilegal. Segundo dados do Pew Hispanic Center, desde 2000, 1,4 mexicanos entraram ilegalmente nos Estados Unidos e deste valor 85% estão em situação ilegal no país.

Os dois maiores partidos estão divididos internamente sobre como lidar com a situação. Os republicanos de um lado eles querem promover um programa de trabalhador convidado para não entrarem em atrito com os empresários, principais financiados da maioria das campanhas. Por outro lado, tentam agradar os eleitores buscando promover a segurança interna e nas fronteiras.

Na mesma situação estão os democratas que procuram ser simpáticos com as lutas em defesa dos imigrantes, com os olhos voltados nos votos da comunidade hispânica. Mas ao mesmo tempo, eles não querem perder o apoio de grupos contrários à imigração ilegal, mas com forte força política no país.

Fonte: (da redação)