Publicado em 22/06/2011 as 12:00am

Porque a reforma imigratória vai beneficiar os EUA

Que a reforma imigratória é importante para os imigrantes indocumentados que vivem nos Estados Unidos ninguém discute, porém, a reforma vai beneficiar,

Por Murilo Silva


Que a reforma imigratória é importante para os imigrantes indocumentados que vivem nos Estados Unidos ninguém discute, porém, a reforma vai beneficiar, e muito, também todos os americanos, independente de sua orientação política. Por isso, republicanos e democratas tem que começar a ver que a discussão do assunto é maior do que divergências de opinião, e um fato de extrema importância para o país, afinal estima-se que 12 milhões de imigrantes são indocumentados, ou quase 4% de toda a população americana. Os EUA é um país de imigrantes, que sempre defendeu a liberdade e os direitos humanos, mas que nos últimos governos negligenciou trabalhadores honestos de todo o mundo em prol de defender sua economia, que sempre esteve melhor quando era maior a aceitação dos imigrantes, e é fácil entender o por quê isto ocorreu.

Ao analisar os prós e os contras da reforma imigratória, a maioria dos ativistas anti-reforma gostam de citar os argumentos contrários à reforma como forma de evitar sua realização, e esquecem de levar em consideração que os benefícios para os americanos serão muitas vezes maiores do que os pequenos problemas que podem acontecer, por isso , apresentamos abaixo um quadro comparativo entre a situação de hoje e a futura após a reforma imigratória, para que todos os brasileiros possam participar ativamente das discussões e defender a reforma imigratória imediata.

Social Security

HOJE: Sem um número de Social, os imigrantes não tem como contribuir com impostos de forma registrada, a menos que usem um ITNumber,  e em contrapartida não obtém nenhum benefício como seguro desemprego e aposentadoria. Aqueles que são contra a reforma, acreditam que dar um número de social para os imigrantes vai onerar os pagamentos de benefícios, e não levam em consideração o aumento da receita de impostos.

FUTURO: Com um número de social, além de identificar toda a população junto ao governo federal, imediatamente todos os funcionários começarão a pagar impostos de forma organizada e registrada, e só no futuro farão jus a algum benefício. Todo país produtivo quer ter uma base maior de contribuintes, e esta é uma grande chance para que os EUA aumentem sua base.

Carteira de motorista:

HOJE: Sem a carteira de motorista, imigrantes indocumentados dirigem sem habilitação adequada, pois precisam de ir e vir como qualquer um que resida no país. Sem o documento, muitos imigrantes saem às ruas sem ter realizado nenhum teste ou até mesmo sem saber dirigir direito, aumentando o número de acidentes nas ruas e estradas dos país. Para se ter uma idéia do tamanho do problema, 1 em cada 3 mortes em acidentes automobilísticos em Massachusetts, o motorista não tinha a carteira. E ainda, sem a carteira, muitos dirigem sem ter nem sequer o seguro do automóvel, que é obrigatório no estado.

FUTURO: Para tirar a carteira de motorista, todo imigrante será obrigado a fazer o mesmo treinamento e teste que os americanos fazem, aumentando consideravelmente a segurança no trânsito.

Economia

HOJE: Como os imigrantes indocumentados não tem social e nem garantias de que vão continuar vivendo no país (todos tem medo de serem deportados), todo o excedente do dinheiro ganho nos EUA é utilizado para ser enviado ao país de origem do imigrante. Assim, investimentos em imóveis, carros e estilo de vida são transferidos daqui para o resto do mundo, prejudicando o mercado interno, que emprega aqui o trabalhador estrangeiro mas não possibilita que ele aqui gaste seu salário. Este desequilíbrio, suga a economia americana de forma profunda e constante. O dinheiro enviado dos EUA, pelos imigrantes, a seus países de origem, constitue muitas vezes um enorme reforço de caixa nas economias de países como México, Cuba e Brasil, entre outros.

FUTURO: Ao documentar 12 milhões de imigrantes, o governo americano amplia consideravelmente seu mercado interno, com aquecimento imediato nos setores imobiliários e automobilístico, já que todos poderão realizar seus investimentos aqui, pois terão a segurança de que não vão perder o que investiram. O dinheiro ganho pelos imigrantes deixa de sair do país e passa a ser gasto aqui, com consequente aquecimento da economia interna. Só para se ter uma idéia, os 12 milhões de imigrantes representam, individualmente, a população de países como a Grécia, Cuba, Portugal ou Bélgica, ou seja, um incremento econômico significativo para os EUA.

Criminalidade

HOJE:  Sem documentos e vivendo à margem da lei, muito imigrantes se sentem mais livres para cometer crimes, principalmente dentro da própria comunidade de indocumentados, já que contam com o silêncio daqueles que tem medo de procurar a polícia  por também não ter documentos. Isto gera um incremento significativo nos delitos praticados, e um círculo vicioso que só poderá ser rompido com a documentação de todos os residentes no país.

FUTURO: Com a reforma e consequente documentação de todos os imigrantes, será possível descobrir quais os criminosos foragidos no país, que cometeram crimes em seus países de origem e vivem escondidos nos EUA. Também será possível identificar os que aqui praticaram crimes e estão ainda impunes por falta de identificação. E outro benefício imediato será o aumento do número de denúncias contra os crimes praticados, já que os imigrantes não mais terão receio de procurar as autoridades para fazer suas denúncias. A reforma imigratória é a única forma de o governo americano saber quem realmente vive aqui, e será esta identificação que vai gerar por si só uma drástica redução nos índices de criminalidade.

Mercado de Trabalho

HOJE: Os imigrantes de uma forma ou de outra já estão no mercado de trabalho, e muitas vezes aceitam pagamentos menores que os dados aos americanos, já que não tem documentos, e isto gera uma concorrência desleal que prejudica o emprego dos americanos.

FUTURO: Ao documentar os imigrantes, estes não mais vão aceitar receber menos pelo mesmo trabalho do cidadão americano, que vai voltar a concorrer em pé de igualdade com o imigrante na busca pelo emprego. Com o incremento gerado na economia, novos postos de trabalho serão abertos e a economia será reaquecida, gerando mais empregos para todos.

Educação

HOJE: O sistema público de ensino nos EUA, paga a conta da educação de milhões de crianças indocumentadas ou filhos de pais indocumentados, que, pela falta da reforma imigratória acabam retornando, depois de educados, aos seus países de origem. Ou seja, os EUA arcam com todo o investimento que será usufruído por outro país, pois as crianças educadas hoje são os geradores de receita para o país no amanhã.

FUTURO: Com a reforma imigratória, os EUA passam a receber de volta todo o investimento que foi realizado nos jovens estudantes, já que eles vão construir aqui suas vidas profissionais. Assim, os EUA recuperam o investimento realizado, deixando de perder milhões de dólares que são investidos todos os anos em indocumentados. Ao segurar os estudantes aqui, fomenta-se a melhoria também do mercado de cursos superiores e do mercado profissional como um todo, formando um ciclo virtuoso de investimento e recuperação do capital, base de sustentação econômica para qualquer país.

Saúde

HOJE: Trabalhando ilegalmente, muitos trabalhadores acabam não tendo acesso a planos de saúde, e acabam sobrecarregando o sistema público de saúde. Muitos imigrantes não utilizam o próprio nome quando vão a um hospital, deixando para trás contas que nunca serão pagas, onerando o sistema.

FUTURO: Com a documentação dos imigrantes, estes passarão a ter acesso a planos de saúde privados e vão aliviar o sistema público, representando também uma base maior de contribuição  para os planos particulares, melhorando o sistema como um todo.

Serviço militar e comunitário

HOJE: Sem documentos, os 12 milhões de imigrantes não podem servir nas forças armadas americanas e também na maior parte dos serviços comunitários, já que legalmente não conseguem ser aceitos.

FUTURO: Com a reforma imigratória, aqueles imigrantes que querem servir nas forças armadas ou realizar serviços comunitários, poderão se inscrever e serem aceitos como qualquer residente permanente dos EUA, isto ampliará consideravelmente a oferta de mão de obra para estes serviços essenciais ao país, sem nenhuma contrapartida por parte do governo, já que todos vivem em território americano e já geram custos. Documentados, os imigrantes passam a ser também fonte de trabalhadores para os serviços públicos dos EUA.

Fonte: (da redação)