Publicado em 27/06/2011 as 12:00am

Pizzaria é punida por não pagar hora extra a brasileiros

A pizzaria Upper Crust, em Salem ?MA, foi multada em $80.000 pelo Departamento do Trabalho, por falha ao pagar hora-extra de brasileiros

O Departamento do Trabalho dos EUA, multou a pizzaria Upper Crust, em Salem –MA, em $80.000 por violar critérios de hora-extra para funcionários e manipular a carga horária de seus funcionários, muitos deles brasileiros.

A pizzeria, é acusada de não pagar corretamente aproximadamente onze cozinheiros e pizzaiolos, que faziam hora-extra com frequência, trabalhando muito mais que as quarenta horas estipuladas por lei, e não recebendo pelas horas excedentes. A investigação também concluiu que o proprietário da franquia não tinha um histórico acurado da carga horária de seus funcionários entre 2009 e 2011, o período analisado pelo Departamento.

“O Departamento do Trabalho não permitirá que empresas como a Upper Crust Pizzeria, viole a lei e prejudique seus vulneráveis funcionários, passando por cima de seus direitos” afirmou Carlos Matos, diretor-assistente do setor de Salários e Horas do departamento, em Boston.

Os investigadores afirmam que o proprietário aceitou cooperar com as investigações e que aceitou as recomendações dadas pelo Departamento do Trabalho. A rede de pizzarias tem sido alvo de críticas nos últimos anos, acerca da sua política trabalhista, e suposta exploração de funcionários, não pagando hora extra e estipulando que eles trabalhem por um salário, ao invés de horas, deixando-os vulneráveis a realizar a carga horária que a empresa exige.

Após um processo movido por funcionários brasileiros em 2009, a companhia foi obrigada a pagar mais de $341.000 a 121 empregados após comprovada que a pizzaria falhou em pagar por horas extras para entregadores, cozinheiros, caixas e gerentes, segundo o Boston Globe.

Segundo o porta-voz da Rede de Pizzarias, o caso da franquia de Salem não se relaciona com as políticas adotadas em outras filias da rede, ‘sendo cada franquia responsável por suas respectivas políticas de administração’.

Polêmica envolve funcionários brasileiros

A rede de pizzarias, que tem 17 filiais ao longo de Boston e redondezas, empregava Valdeir Pereira Pinto, de Allston – MA, e Cleverson Batista, de Somerville – MA em 2010, quando os brasileiros acusaram  a gerência da pizzaria de, depois de fazer a restituição de pagamentos fixos relativos às horas extras, dizer aos funcionários que eles ‘deveriam pagar aquilo de volta’ se eles quisessem manter seus empregos.  Os gerentes então, começaram a deduzir centenas de dólares dos pagamentos semanais dos funcionários , de acordo com a ação realizada pelos brasileiros. Eles disseram no processo, que foram despedidos nessa primavera, semanas após a companhia ‘recuperar’ o dinheiro dado na restituição. “ Não é justo que eles tomem o meu dinheiro, que eu lutei para conquistar” disse Cleverson, que trabalhava em restaurantes situados em Brookline e Fenway.

Um dos proprietários da rede de pizzarias, Josh Huggard, disse que ‘aprendeu com os erros praticados no passado’,  ao falar sobre a determinação do Departamento do Trabalho. Ele ressaltou ainda, que a companhia ‘nunca disse para nenhum de seus funcionários que eles não poderiam trabalhar lá , se não pagassem o dinheiro restituído de volta’.

Fonte: (da redação)