Publicado em 20/07/2011 as 12:00am

Republicano não se arrepende e quer fuzilar imigrantes

O congressista republicano pelo Alabama, Mo Brooks, que recentemente foi alvo da opinião pública

O congressista republicano pelo Alabama, Mo Brooks, que recentemente foi alvo da opinião pública por ter afirmado que a única ação que vê contra imigrantes indocumentados é atirar em cada um e afastá-los de uma vez por todas dos Estados Unidos, alegou que não se arrepende do que disse, e que confirma que sua Matilde seria nada mais nada menos do que atirar em um imigrante que significa ameaça ao seu país.

Mesmo diante dos manifestos contrários a este posicionamento e os ataques promovidos por grupos hispânicos, o parlamentar permaneceu firme em sua posição, e na segunda-feira (18), disse “que não vai recuar e não teme represálias”.

O deputado, também republicano, exortou seu colega e repudiou as frases proferidas por ele durante os ataques verbais aos imigrantes indocumentados. Mesmo assim o parlamentar continua defendendo qualquer medida para conter a imigração ilegal, inclusive promover a liberdade de atirar nas pessoas que tentam entrar ilegalmente no país.

Enquanto ativistas pregam que Brooks escolheu palavras irresponsáveis que refletem o ódio e a falta de humanidade, o parlamentar defende que utilizou apenas um discurso político legal e tradicional.

A intenção dos manifestos contra a opinião de Brooks é para que ele peça desculpas, e para que sua atitude não promova uma onda perigosa de sentimento anti-imigrante. Mas ele parece irredutível e continua firma na posição de atirar em qualquer imigrante que esteja ilegal no país no sentido de amedrontar e mandá-lo de volta ao seu país de origem. “Não podemos deixar que os indocumentados continuem roubando os empregos dos cidadãos dos Estados Unidos”, explicou.

O parlamentar ressaltou que outros estadunidenses pensam da mesma maneira e pode perceber isso no apoio que recebeu pelos vários lugares que passou defendendo a sua posição. (tradução por Luciano Sodré)

Fonte: (da redação)

Top News