Publicado em 25/07/2011 as 12:00am

Brasileira fala sobre americano que tentou sequestrar a própria filha

Um brasileira que residiu nos EUA por mais de dez anos, luta por justiça em um episódio envolvendo a tentativa de sequestro de sua filha de 7 anos pelo ex-marido, que fazia uma visita supervisionada à garota em São Paulo

Um brasileira que residiu nos EUA por mais de dez anos, luta por justiça em um episódio envolvendo a tentativa de sequestro de sua filha de 7 anos pelo ex-marido, que fazia uma visita supervisionada à garota em São Paulo. O fotógrafo Richard Joseph Gatt, de 55 anos, está preso desde o dia 11 de Julho, em Mogi das Cruzes- SP, acusado de falsificar um formulário de autorização de viagem da filha, em tentativa de levá-la para os Estados Unidos sem o consentimento da mãe e da justiça.

A ex-mulher do fotógrafo, Tatiane Ribeiro, mora atualmente em Guararema - SP com a filha, cuja guarda ele teria perdido no ano passado. Gatt tinha o direito apenas a visitas supervisionadas no Brasil e havia um encontro marcado para o dia 11. Ele já teria ido ao Brasil outras duas vezes neste ano, em abril e maio, e estava no país desde o dia 28 de junho.

Segundo Tatiane revelou em entrevista exclusiva ao BT, o americano nunca demonstrou muito afeto pela filha, e nunca imaginava que o ex-marido seria capaz de lhe roubar a filha. “ Nas duas vezes que veio visitar a minha filha, ele não trouxe brinquedos, presentes, nada. Sempre foi muito seco e pouco afetuoso. Tudo sempre passou de uma desculpa pra me atingir e me incomodar, porque ele sabia que envolver a minha filha era única maneira que ele tinha para conseguir a minha atenção” afirma ela. “Ele nunca nem mesmo pagou pensão alimentícia” completou a brasileira.

O plano de sequestro de Richard foi desmantelado após policiais militares atenderem uma chamada na padaria onde o americano se reunia com a filha sob supervisão da ex-sogra.  Por volta do meio dia do dia 11, policiais militares atenderam a um chamado do local, localizado no centro de Guararema. Lá estaria um o americano, que havia roubado um molho de chaves do estabelecimento dias antes. A sala onde acontecia o encontro tem uma porta para os fundos, onde estava estacionado o carro de Gatt, um Gol prata. Segundo investigação da polícia e informações contidas no diário do fotógrafo, o americano pretendia fugir pelos fundos da padaria com a menina, pegar o veículo e, com a autorização de viagem com assinatura falsa da mãe da garota e de um notário público americano, ir com a filha à Embaixada americana emitir passaporte e embarcar para os Estados Unidos.

Além das chaves, os policiais encontraram no veículo do americano o diário com o plano, roupas e documentos para  a autorização de viagem da filha. Em depoimento à polícia, a mãe negou ter assinado qualquer formulário, que teria sido expedido pelo consulado brasileiro e segue em investigação para a comprovação de sua autenticidade. A placa do carro também foi alterada por uma placa roubada, segundo informações dos investigadores.

Juntamente com o americano, a polícia também encontrou um diário onde Gatt detalhava o plano. Casados legalmente nos EUA entre 2004 e 2009, Richard Joseph Gatt e Tatiane Ribeiro,  viviam com a pequena Natasha, em Salt Lake City – Utah, onde a brasileira estudava enfermagem e trabalhava em um hospital da região. Segundo Tatiane, o relacionamento se deteriorou por conta do temperamento agressivo do americano, que constantemente agredia a ex-mulher. “Várias vezes ele já me agrediu, e sempre foi instável, nunca sabíamos como ele ia se comportar em determinados momentos. Cheguei a ser levada ao hospital de ambulância após eu perder a consciência em um episódio de agressão” afirma ela, que complementa dizendo que o casamento chegou ao fim ao saber dos episódios de violência doméstica do marido. “Além de não estar mais suportando aquela vida de tensão e medo, eu descobri que Richard teria um vasto histórico criminal em violência doméstica, já tinha sido preso, entre outros detalhes que ele sempre escondeu de mim” afirma ela, que decidiu pelo divórcio em 2006, mas somente em 2009 teve a causa concedida.

A mãe de Natasha, afirma que a família tenta não expor a filha sobre o episódio, mas que a repercussão do caso, tem causado certa desconfiança na jovem. “ Já saíram matérias nos jornais e canais de TV locais, e até mesmo coleguinhas de classe perguntam certas coisas para ela que ela não sabe responder e sempre me questiona sobre isso. Estamos tentando preservá-la ela desse caso tão triste” revela a brasileira, que

O americano se encontra na Cadeia Pública de Mogi das Cruzes. Ele será indiciado por falsificação de documento público, furto da placa e poderá responder nos EUA também, por ter falsificado a assinatura de um notário público do país.

Fonte: (da redação)