Publicado em 8/08/2011 as 12:00am

Ativistas em MA se revoltam com decisão do ICE

"Não é necessário termos permissão para atuar e fazer o nosso trabalho", afirmou o diretor do Immigrantion and Customs Enforcement ? ICE, John Morton

Após o Departamento de Segurança Interna( DHS, sigla em inglês), anunciar na sexta-feira (05), que o órgão tornará o programa Secure Communities compulsório, sem depender do aval dos estados para entrar em vigor, ativistas de todo o país iniciaram série de protestos e manifestações, questionando a medida.

Mesmo com as negativas em assinar a proposta em diversos estados do país, e com declarações públicas do prefeito de Boston, e do Governador de Massachusetts, se colocando contrários à medida, o ICE resolveu agir, noticiando em teleconferência no dia 5, que está agindo ‘com as próprias mãos’ na aplicação do programa. “Não é necessário termos permissão para atuar e fazer o nosso trabalho”, ressaltou o diretor do Immigrantion and Customs Enforcement – ICE, John Morton.

O diretor da National Day Laborer’s Organizing, Pablo Alvarado afirmou que não se pode deixar que ‘se passe por cima da autoridade de cada estado em estabelecer leis’. “Não podemos aceitar que governos governem por decreto, tem que haver respeito à democracia” afirmou ele. “ Isso é uma catástrofe. Os imigrantes tem que sair às ruas, protestar, e defender o direito de ir e vir, lutar pelos direitos humanos. Precisamos achar meios jurídicos para reverter essa decisão” afirma a ativista Cláudia Tamsky. “Esta é mais uma atitude de cima para baixo, de força, desrespeitosa com os governos estaduais e que demonstra a insegurança do departamento”, disse Heloisa Maria Galvão, do Grupo Mulher Brasileira. “Temos de apoiar o prefeito e o chefe de polícia para que eles tenham coragem de enfrentar a imigração e temos de dizer ao Presidente que isto não é o papel que esperamos dele. O Grupo Mulher Brasileira não vai ficar calado” completou, em comunicado enviado à imprensa. “Esperamos que eles atuem para regularizar os imigrantes, não para perseguí-los. Agora estamos vendo quem está do nosso lado” afirma o radialista e ativista Ilton Lisboa.

Além da divulgação da medida, o DHS ressaltou que revisará o programa, para garantir o respeito e o cumprimento dos direitos civis e humanos. Investigações criminais que incluam imigrantes como testemunhas ou colaboradores, serão tratadas individualmente, para evitar que se espalhe o medo e a perda da confiança entre a comunidade e autoridades. A Massachusetts Immigrant Refugee Advocacy Coalition – MIRA, por meio de um comunicado, que a atitude é mais uma demonstração de falta de ações mais diretas e benéficas no campo da Imigração. “ Está claro que o DHS e o ICE não souberam orientar as autoridades públicas e estaduais sobre o programa desde o início. Agora eles estão querendo impor em estados que já tem as suas leis estabelecidas. Essa é uma situação inaceitável e não deve ser tolerada” afirma a entidade.

Fonte: (da redação)