Publicado em 26/08/2011 as 12:00am

Indocumentado mata motociclista e gera polêmica entre anti-imigrantes

O caso de um acidente automobilístico envolvendo um imigrante indocumentado e que terminou com a morte de um jovem, acendeu os ânimos das autoridades que defendem a urgência da aplicação do programa "Secure Communities" em Massachusetts.

O caso de um acidente automobilístico envolvendo um imigrante indocumentado e que terminou com a morte de um jovem, acendeu os ânimos das autoridades que defendem a urgência da aplicação do programa “Secure Communities” em Massachusetts.

No sábado (20), o guatemalteco Nicholas Guaman conduzia, sob efeito de bebida acoolica, o seu veículo, quando avançou um sinal de “stop” e atingiu um motociclista arrastando-o por cerca de 400 metros. O acidente terminou com a morte do motoqueiro e a prisão do imigrante. Nicholas declarou-se inocente das acusações de homicídio, dirigir sob influência do álcool, abandonar o local do acidente, avançar sinal de parada obrigatória, direção perigosa, dirigir sem carteira de motorista válida nos EUA e resistir à prisão. A comunidade de Milford, Massachusetts, onde aconteceu o acidente, ficou revoltada e as autoridades acaloraram as discussões sobre a implantação do programa criado para deportar imigrantes perigosos.

O chefe de polícia de Milford, Thomas O´Loughlin, disse que defende o programa e afirma que os imigrantes não precisam temê-lo, “pois ele tem como objetivo único prender e deportar os imigrantes que apresentem perigo á comunidade”. Ele cita o caso de Nicholas, que já tem antecedentes criminais e já teria sido deportado se este programa estivesse sendo aplicado há mais anos. “Desta vez, ele será entregue nas mãos do Departamento de Imigração”, acrescenta.

O oficial recorda que o imigrante já foi condenado, em 2008, por invasão de domicílio com intenção de cometer um crime, três acusações de agressões, resistência à prisão e perturbação do sossego. “Se o programa existisse em 2008, certamente este imigrante teria sido deportado e a morte causada por ele no sábado seria evitada”, continua. Thomas citou como exemplo a cidade de Boston que aplicou o programa ao Departamento de polícia. “Todas as pessoas presas lá (Boston) tem as suas impressões digitais compartilhadas com o FBI e o Departamento de Segurança Interne”, disse acrescentando que também permite ao departamento de Imigração de acessar os dados. “Em Milford, nós temos uma população considerável de imigrantes oriundos do Equador, Guatemala e Brasil”, continua.

O chefe salienta um dos problemas é em relação às muitas abordagens feitas a imigrantes na cidade. “Eles apresentam documentos de seus países, mas não temos certeza se isso as informações são verídicas e não temos como entrar em contato com o governo do país de origem do abordado”, fala explicando que este é um dos principais motivos para a utilização do Secure Communities. Outro que utilizou o acidente como chave para defender o programa foi o xerife do condado de Worcester, Lewis Evangelidis. “O que aconteceu foi uma tragédia e poderia ter sido evitada se tivéssemos o Secure Communities”, fala. Wayne Sampson, diretor-executivo da associação de policiais em Massachusetts, disse que os chefes de polícia têm opiniões bastante diferentes sobre o assunto e que isso atrapalha a aplicação do programa. “O compartilhamento de informações faz sentido, o que gera polêmico é a maneira como o governo federal utilizarão. Se for apenas para casos violentos é uma coisa, mas se for utilizado para descobrir imigrantes indocumentados é outro assunto”, fala.

Fonte: (Texto por Luciano Sodré)