Publicado em 29/08/2011 as 12:00am

Brasileiros revelam como preferem investir economias

Imóveis ainda são o principal sonho de consumo de quem poupa nos Estados Unidos

Comprar imóveis no Brasil continua sendo o  investimento preferido para os brasileiros que moram aqui. As incertezas em relação à economia americana e a perspectiva de voltar um dia para o Brasil são determinantes para quem economiza e quer multiplicar o dinheiro. Enquanto há alguns anos os brasileiros que vivem nos Estados Unidos preferiam investir maciçamente em imóveis na América, hoje são poucos os que se arriscam a apostar o dinheiro nas incertezas da economia americana.

“Investi em imóveis nos Estados Unidos e me dei muito mal”, reclama Edson Reginato, paranaense que mora há dez anos em Massachusetts. Edson, que trabalha como bartender em Boston, comprou duas casas “no tempo das vacas gordas”, em 2003. “Foi um péssimo investimento porque comprei no auge da especulação, com o preço muito acima do valor de mercado”, recorda. Em 2005, os preços dos imóveis começaram a cair, para despencar de vez em 2008. Hoje, Edson luta para conseguir os inquilinos e faz malabarismos para manter as prestações do `mortgage` em dia.

Para Carla Alves, housecleaner há nove anos na América, investir em imóveis nos Estados Unidos ainda é uma boa opção. Ela pretende comprar um apartamento na Flórida, para onde quer se mudar no ano que vem. “Os apartamentos na Flórida estão muito baratos e agora é a hora de investir lá”, acredita. Entretanto, quando teve uma oportunidade de investir há três anos, Carla preferiu pôr o dinheiro em território brasileiro: “Comprei um terreno em Belo Horizonte por R$ 80 mil e hoje o imóvel já está valendo R$ 150 mil”, comemora.

Há dez anos na América, Pedro Barbosa sempre trabalhou com construção. Todo o dinheiro que ganha, Pedro investe em Resplendor, interior de Minas Gerais. “Primeiro, eu comprei um táxi”, conta ele, “depois comprei um apartamento e, mais tarde, um terreno onde hoje construo a casa em que pretendo morar”. Casado com uma americana, Pedro pensa em juntar um pouco mais de dinheiro para voltar ao Brasil em dois anos. “A América, hoje, não dá mais dinheiro. Quem quiser faturar tem de ir para o Brasil”, sentencia.

O paranaense Claudenir Barbosa, nove anos de América, pensa da mesma forma. Claudenir tem uma empresa de colocação de pisos e, com ela, já comprou um apartamento em Londrina (PR). A meta dele é ir para o Brasil para continuar fazendo a mesma coisa. “Meu irmão já está indo e eu pretendo ir em seguida”, conta. “Nossa ideia é abrir uma empresa de colocação de pisos no Paraná. O dinheiro agora está lá, não aqui.”

O cozinheiro José Rosa também gosta de investir o dinheiro no Brasil, mas alerta para os problemas dessa operação. “Já perdi muita terra porque mandava meu dinheiro para lá, quando não podia sair daqui”, recorda. “Meu dinheiro caiu nas mãos de pessoas erradas e o prejuízo foi grande.” Embora tenha perdido dinheiro, José Rosa não desistiu e continua comprando terras e gado em Rondônia. “Quando for embora daqui, quero aproveitar minhas terras e meus bois”, afirma José Rosa, que vive há 20 anos nos Estados Unidos. O problema é que, depois de tanto tempo aqui, ele não sabe se quer voltar. “Talvez daqui a 20 anos eu volte”, arrisca, sem saber se está brincando ou não.

Fonte: (da redação)