Publicado em 19/09/2011 as 12:00am

Mãe de 'brasileiro fujão' é presa em aeroporto de NY

Janiber Vieira, mãe do ex-policial David Brito, tentava fugir para o Brasil quando foi detida

O caso envolvendo o capixaba David Brito, que trabalhava como policial em Boynton Beach, na Flórida, continua ganhando a mídia nos Estados Unidos. Desta vez a sua mãe, Janiber Andrade Vieira, 51 anos, tornou-se uma das principais envolvidas. Segundo os investigadores, ela teria ajudado o filho conseguir documentação e a fugir para o Brasil.

 

Residente na cidade de Coral Spring, Janiber foi presa no aeroporto internacional JFK, em New York - NY, quando tentava embarcar para o Brasil. A suspeita inicial é que ela tentava fugir, pois terá que responder pela cumplicidade na fuga do filho.

 

O brasileiro estava cumprindo prisão domiciliar na casa da mãe e dia 24 de agosto quebrou a tornozeleira eletrônica e fugiu. Desde então uma busca intensa iniciou e a princípio acredita-se que ele estaria escondido em algum lugar nas probidades da Flórida, haja vista que o seu passaporte brasileiro havia sido retido.

 

Mas com o andar das investigações, descobriu-se que ele tinha fugido para o Brasil, supostamente ajudado pela mãe. Possivelmente, segundo afirmam os investigadores, Janiber correu atrás de toda a papelada para deixar o filho apto a viajar assim que quebrasse a tornozeleira.

 

Os agentes envolvidos na investigação afirmam que foi Janiber quem comprou o bilhete para o filho, no dia 23 de agosto, um dia antes da fuga. Através de câmeras de vídeo foi confirmada a presença dela em uma agência de viagens em Pompano Beach. Ela teria pago a passagem com dinheiro.

 

A prisão de Janiber aconteceu devido uma informação de que ela estaria na lista de passageiros que embarcariam no dia 2, de New York para São Paulo.

 

Agora ela responderá por ter ajudado na fuga e também por mentir para os investigadores sobre o paradeiro do filho e tentativa de fuga para encontra-se com um procurado da justiça norte-americana. Janiber está sob custódia federal, enquanto o filho está tranquilo no Brasil.

 

Passaporte

Segundo as investigações, o brasileiro solicitou uma segunda via do passaporte ao Consulado-Geral do Brasil em Miami, alegando que o outro havia sido retido pelas autoridades. Não houve nenhum empecilho para que o documento fosse liberado.

 

Ainda não ficou certo se David foi pessoalmente ao órgão ou enviou terceiros. Isso porque tornou-se comum “despachantes” atuarem como representantes dos brasileiros diante do Consulado. Dezenas de passaportes são emitidos sem a presença do titular, toda semana.

 

O Consulado emitiu um documento sobre o assunto, informando que o órgão desconhecia que o brasileiro enfrentava acusações na Justiça dos Estados Unidos. “Para as autoridades brasileiras, David não é um criminoso”, disse o secretário consular, Fernando Arruda ao jornal The Sun Sentinel.

 

Fonte: (Luciano Sodré)

Top News