Publicado em 12/10/2011 as 12:00am

Mãe de 'fujão' pode ser condenada a prisão perpétua

Janiber "Jane" Andrade Vieira, a mãe do policial David Britto, é acusada de de ajudar a organizar a fuga do filho e ainda esconder informações da polícia

Está previsto para acontecer no dia 14 de novembro, o início do julgamento da brasileira Janiber “Jane” Andrade Vieira, a mãe do policial David Britto, que fugiu para o Brasil para fugir de cumprir a pena por tráfico de entorpecentes. Ela é acusada de ajudar a organizar a fuga do filho e ainda esconder informações da polícia.

A brasileira também responderá por desacato ao Tribunal, o que pode lhe resultar prisão perpétua, a pena máxima que pode ser aplicada na Flórida. As outras acusações lhe renderão no máximo cinco anos de cadeia.

Outra acusação que pesa contra a brasileira, é que ela apresentou títulos falsos de uma casa como fiança para colocar o filho em liberdade. Jane colocou a casa onde morava como garantia de pagamento da fiança, mas o imóvel jamais pertenceu a ela.

O filho de Jane trabalhava como policial na cidade de Boynton Beach, na Flórida, e foi envolvido numa acusação de tráfico de drogas. Ele estava mantido em prisão domiciliar, mas no dia 24 de agosto quebrou a tornozeleira eletrônica e fugiu para o Brasil.

No início, os investigadores trabalhavam com a hipótese de que ele poderia estar escondido em alguma floresta na Georgia, Carolina do Norte e Tennessee. Mas com o andar das investigações descobriram que ele fugiu para o Brasil. Foi então que as pistas apontaram a participação da mãe, pois as autoridades havia retido o passaporte do rapaz.

Segundo os investigadores, ela ajudou a conseguir um novo documento para embarcar de Miami para Brasilia. Jane foi quem, um dia anterior a fuga, comprou a passagem pela empresa TAM Linhas Aéreas. Tudo foi registrado pelas câmeras da agência de viagem onde foi efetuada a compra.

No dia 02 de setembro, Jane foi presa no aeroporto internacional de New York, o JFK, pronta para viajar para o Brasil. Ela tinha uma passagem para São Paulo. Os investigadores afirmam que ela estava prestes a fugir, mas graças a uma ação rápida não obteve êxito.

Jane comparecerá em uma pré-audiência no dia 7, mas o seu julgamento começa dia 14, às 9 horas. O rapaz enfrentava julgamento que poderia lhe resultar em prisão perpétua. Ela continua presa sem direito a fiança.

Fonte: (Luciano Sodré)