Publicado em 10/11/2011 as 12:00am

Criança brasileira com câncer raro vai fazer tratamento nos EUA

Felipe Wolff, de 3 anos, tem a Histiocitose de Células de Langerhans, e precisa de tratamento intensivo para curar o câncer

Vítima da burocracia e da falta de estrutura do sistema de saúde brasileiro, o jovem Felipe Wolff, de três anos de idade, se prepara para viajar para Boston, onde receberá o tratamento adequado contra um raro tipo de câncer, a Histiocitose de Células de Langerhans.

A mãe da criança, Evelyn Wolff, que mora em Campo Grande – MS, realizou um contato com a brasileira Vânia Estanek, que trabalha em um laboratório farmacêutico em Cambridge- MA, e se interessou pelo drama do jovem. “Eu estava na internet, quando vi uma matéria falando sobre ele. Foi quando procurei contatos e senti vontade de ajudar. Contatei a mãe e os parentes e ofereci suporte na vida de Felipe para o país”. “Mandei emails para alguns médicos e clínicas que trabalham com casos do tipo de câncer que Felipe tem” completa Vânia.

Após os contatos, a família foi contatada, e a viagem começou a ser planejada. “O único empecilho foi a questão financeira, porque os tratamento são muito caros. Mas já estamos nos mobilizando para viabilizar o tratamento” afirma a brasileira. Há alguns meses, várias doações foram realizadas, incluindo uma de R$ 50 mil do empresário Antônio Moraes, mas a falta de disponibilidade dos medicamentos no mercado brasileiro, dificultou o início do tratamento.   “O banco não aceitou o pagamento do nosso doador, porque o medicamento não é reconhecido pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] e não é liberado pelo Ministério da Saúde. É como se fosse um contrabando”, disse a mãe do garoto para uma agência de notícias brasileiras há dois meses.

Inconformado com a situação o empresário que fez a doação, disse que se não conseguisse a liberação da compra do remédio, pretendia mandar a criança fazer o tratamento nos Estados Unidos. “O medicamento ainda está em testes, mas vale a pena arriscar para salvar uma vida”, comentou ele. Com a ajuda de Vânia, Filipe e sua família devem desembarcar em Boston – MA até a semana que vem.  

19 meses de angústia

Em abril do ano passado, foi diagnosticado com a doença Histiocitose de Células de Langerhans. Desde então, Felipe é submetido a intermináveis sessões de quimioterapia. Toda semana, o garoto é submetido a quimioterapia. O pai do garoto, Guilherme Wolff,  conta que o filho já passou pelos três tipos de quimioterapias existentes no mundo, contra o tipo raro de câncer de Felipe. “Felipe já passou por três protocolos existentes no mundo e não apresentou reação positiva em nenhuma delas” disse ele ao jornal Capital News.

Considerado uma doença multisistêmica, o câncer de Felipe pode se espalhar para qualquer órgão do corpo, seja pele, osso, órgãos vitais internos e cérebro. No caso do jovem, os órgãos já acometidos são fígado, pulmão e baço. “Talvez o intestino também tenha sido afetado, porém, ainda não foi feita a biopsia, uma vez que ele está muito debilitado e o exame seria muito agressivo para ele”, informou o pai ao veículo brasileiro. Apesar das condições em que se encontra, Felipe é uma criança muito ativa. “Graças a Deus, por força da fé ele está muito bem, conversa e brinca. Apesar de ser uma doença grave, ela está num estágio intermediário, não está se manifestando no corpo dele de forma tão agressiva, porém, a doença está em plena atividade e a qualquer momento ela pode fugir de controle. O agravante é que, nas duas últimas semanas ele tem tido uma piora gradativa” completa o pai.

Com tratamento marcado no Children’s Hospital, em Boston – MA, Felipe ainda necessita de ajuda financeira para dar prosseguimento a sua recuperação. Quem se interessar em doar qualquer quantia no tratamento pode fazer um depósito na conta Citizens Bank - Acc#: 1323348538.  Mais informações ou detalhes do caso, contatar Vânia Estanek, no (857)417 – 2627.

Fonte: (da redação)