Publicado em 16/11/2011 as 12:00am

Brasileiro acusado de matar namorada volta aos tribunais

Marcelo Almeida, 41 anos, deverá comparecer à uma nova audiência no dia 8 de dezembro em Plymouth- MA

Após um período internado na Unidade de Terapia Intensiva – UTI, no South Shore Hospital, o brasileiro Marcelo Almeida retorna à Corte no dia 8 de dezembro, para se defender da acusação de ter assassinado a ex-namorada, Patrícia Frois, a facadas em Marshfield, no dia 26 de setembro.

Ainda no hospital, e algemado à cama, o brasileiro ouviu as denúncias contra ele, através de um intérprete. A Procuradora, Sharon Donatelli, relatou que o brasileiro esfaqueou várias vezes. O crime, segundo ela, aconteceu por volta das 7h40 no corredor do prédio onde réu e vítima moravam. Vizinhos ouviram gritos das vítimas e ligaram para o 911 (chamada de emergência) e alguns relataram que viram Almeida coberto de sangue e segurando uma faca.

A procuradora disse, olhando fixo nos olhos do brasileiro, que uma testemunha lhe abordou e perguntou porque ele havia feito aquilo. “Eu fiz isso por amor. Eu tive que fazer isso com ela”, teria sido a resposta do acusado.

Depois que o crime aconteceu, uma caçada “cinematográfica”  se iniciou para encontrar o suspeito. Policiais locais tiveram a ajuda de cães farejadores, helicópteros, agentes do FBI, da Imigração e policiais estaduais. Quatro horas depois, Almeida foi encontrado escondido em um galpão abandonado, nas proximidades do local. Para explicar os ferimentos, Almeida disse, na ocasião, que havia se ferido.

Imediatamente à sua prisão, ele foi levado ao South Shore Hospital e à princípio, ele teria confessado o crime, informado aos policiais que esfaqueou Patrícia três vezes e que depois ficou louco e desferiu várias facadas. Depois ele tentou se matar, afirmou a procuradora, explicando os ferimentos encontrados no corpo dele. Por isso o brasileiro foi vigiado 24 horas por policiais, para impedir que ele tentasse novamente o suicídio.

A procuradora não acredita na inocência do brasileiro e solicitou à juíza que o réu ficasse detido sem direito à fiança, devido a natureza do crime. Ela disse, ainda, que os investigadores continuam tentando encontrar a verdadeira identidade de Marcelo, pois ele apresentou um nome e portava documentos com outro nome. “Durante uma investigação no apartamento do suspeito, os policiais encontraram dois passaportes brasileiros, sendo um com visto, mas os números mostram que a permissão foi emitida em nome de uma mulher do Kuwait”, disse salientando que o outro passaporte não tem nenhum registro de entrada legal no país.

Apesar de não terem a confirmação da legalidade de Marcelo no país, os investigadores apuraram que ele teria dito a um colega de quarto que entrou nos Estados Unidos através da fronteira com o México. Também foi constatado que a carteira de motorista utilizada por ele era falsa.

Fonte: (da redação)

Top News