Publicado em 5/12/2011 as 12:00am

Alabama treina 16 mil policiais para lei anti-imigrante

Desde que a lei HB56 entrou em vigor, muitas crianças deixaram de ir às escolas e empresários dos setores de construção civil e agricultura já reclamam da falta de mão-de-obra

Poucas semanas após os protestos ocorridos no Alabama em oposição à lei HB56, que criminaliza os imigrantes indocumentados do estado, o governo estadual afirmou na última semana, que já iniciou o treinamento de 16.000 policiais locais para a aplicação da lei.

Desde que a HB 56 entrou em vigor, há relatos de milhares de famílias imigrantes deixando o Alabama rumo a outros estados com leis de imigração mais brandas. Muitas crianças também deixaram de ir às escolas e empresários dos setores de construção civil e agricultura já reclamam da falta de mão-de-obra, que é formada principalmente por trabalhadores latinos.

A HB 56 foi sancionada pelo governador Robert Bentley em 9 de junho, mas teve sua implementação embargada temporariamente pela Justiça, após protestos de grupos de direitos civis.

No final de setembro, porém, a juíza federal Sharon Lovelace Blackburn decidiu permitir que a lei entrasse em vigor em quase sua totalidade, com apenas alguns pontos bloqueados por, segundo ela, interferirem na legislação federal. Com o anúncio do tribunal de apelações em outubro, novas partes da lei ficam bloqueadas até que haja uma decisão final da Justiça sobre sua constitucionalidade, o que ainda deverá levar vários meses.

O Alabama integra um grupo de Estados que recentemente vêm aprovando leis estaduais de imigração, consideradas por seus críticos rígidas demais e discriminatórias, afetando especialmente a população latina.

Em sua ação, o Departamento de Justiça chegou a argumentar que a lei poderia prejudicar as relações diplomáticas dos Estados Unidos com países latino-americanos.

O pioneiro desses Estados foi o Arizona, que no ano passado aprovou a lei SB 1070 sob protestos em todo o país. A Justiça acabou bloqueando posteriormente os pontos mais controversos, mas a lei serviu de modelo para propostas semelhantes em mais de 20 Estados. Além do Alabama, também Utah, Indiana, Geórgia e Carolina do Sul aprovaram leis estaduais de imigração, todas já alvo de ações judiciais por parte da ACLU e outras entidades de defesa dos direitos civis.

Apesar de a lei americana determinar que as políticas de imigração são de responsabilidade do governo federal, muitos Estados têm buscado implementar suas próprias leis a respeito, sob o argumento de que Washington não consegue resolver o problema, em um momento em que há no país cerca de 12 milhões de imigrantes ilegais.

Fonte: (da redação)