Publicado em 5/12/2011 as 12:00am

Senado dos EUA anuncia plano para acelerar vistos para brasileiros

Analistas afirmam que o projeto 'Visit US Act' é um primeiro passo para a isenção de visto para os brasileiros adentrarem os EUA

Passando por um período de baixo crescimento econômico, os EUA voltam a atenção para os gastos dos turistas brasileiros e chineses. Dois projetos no Senado americano visam tornar realidade um antigo sonho dos dois países. Eles terão os processos de vistos para os EUA acelerados, o que especialistas acreditam ser o primeiro passo para a isenção do visto e inclusão no programa ‘Visa Waiver’.

Um grupo formado pela Câmara do Comércio dos EUA, a Confederação Nacional das Indústrias no Brasil, a Federação de Varejistas dos EUA e a Associação de Viagens dos EUA, no entanto, acredita que a medida é insuficiente. Eles querem que os brasileiros sejam isentos do visto para entrar nos EUA. O grupo defende que o assunto entre na pauta da reunião entre os presidentes Barack Obama e Dilma Rousseff, quando ela for aos EUA, viagem que está marcada para março.

Se a meta da isenção parece distante, a simplificação do processo já está em vista. No ano fiscal encerrado em outubro, foram concedidos 820 mil vistos a brasileiros, salto de 44% sobre 2010. Para a China, foi 1 milhão, alta de 33%. A meta anunciada para 2013 é mais do que duplicar esse total, chegando a 1,8 milhão no Brasil e 2,2 milhões na China. Para atingir este objetivo, o número de funcionários no consulado americano encarregados de entrevistar os solicitantes subirá de 49 para 100, no Brasil.

Os brasileiros estão em terceiro lugar em gastos nos EUA, com uma média de US$ 4.236 até outubro de 2011, um salto de 30% em relação ao mesmo período de 2010.

Segundo a Agência Folha, atualmente a espera pode chegar a 69 dias caso o pedido seja feito na capital paulista ou em Recife. No Rio de Janeiro e em Brasília, o prazo é de menos de uma semana.

O principal plano em tramitação no senado americano é o ‘Visit US Act’ (Lei “Visite os EUA”).  Além da aceleração na concessão dos vistos, o projeto determina o aumento da validade do documento chinês de um para cinco anos. 

Também são propostas entrevistas por videoconferência, a criação de postos móveis e até uma taxa de prioridade: quem pagar poderá passar para a frente da fila na hora de tirar o visto.

Um dos pontos mais surpreendentes da lei é a possibilidade da concessão de vistos de residência automáticos para todos os estrangeiros que gastem pelo menos US$ 500 mil em imóveis no país.

Fonte: (da redação)