Publicado em 15/12/2011 as 12:00am

Isenção de visto é 'questão de anos' afirma Itamaraty

As declarações ocorrem dias após a divulgação que o Senado americano já trabalha em propostas para agilizar o visto americano para os brasileiros

A isenção de vistos de turismo e negócios para brasileiros nos EUA ainda é uma "questão de anos", apesar das pressões do setor privado, segundo informou o Itamaraty nessa semana. A resposta ao assunto vem dias após a divulgação que o Senado americano já trabalha em propostas para agilizar o visto americano para os brasileiros.

"Nos últimos meses, não houve desdobramento concreto. O que temos são contatos com o setor turístico, que sempre manifesta interesse de facilitar ao máximo as viagens", afirmou o diretor de Imigração e Assuntos Jurídicos, Rodrigo do Amaral Souza, à agência Folha.

Segundo ele, um encontro foi realizado em Agosto, mas não foram feitos acordos concretos acerca do assunto. "O último contato que tivemos com as autoridades americanas foi em agosto"  afirmou Rodrigo.

Lobbies de turismo, negócios e varejo dos dois países pedem ao Congresso dos EUA e ao Departamento de Estado --que investe para reduzir a fila nos consulados-- que relaxem a lei da dispensa do visto e incluam o Brasil.

Hoje, duas leis tramitam pelo Senado dos EUA visando acelerar o processo para os brasileiros tirarem o visto, e os grupos de pressão enxergam a chance de derrubar a exigência do documento.  O motivo tem razões financeiras. Em 2010, o total de visitantes brasileiros nos EUA saltou 34%, e seus gastos médios cresceram 30%. Mas a questão da isenção --que hoje beneficia 36 países-- vai além dos números.  O próprio Itamaraty, apurou com fontes do lado brasileiro e do lado americano, que se preocupa com os possíveis reveses decorrentes da dispensa, como um aumento de brasileiros barrados em aeroportos.

Um grupo formado pela Câmara do Comércio dos EUA, a Confederação Nacional das Indústrias no Brasil, a Federação de Varejistas dos EUA e a Associação de Viagens dos EUA, acreditam que para bons resultados econômicos, o aumento na concessão de vistos não é suficiente, é preciso isentar o país de tal burocracia. O grupo defende que o assunto entre na pauta da reunião entre os presidentes Barack Obama e Dilma Rousseff, quando ela for aos EUA, viagem que está marcada para março.

O principal plano em tramitação no senado americano é o ‘Visit US Act’ (Lei “Visite os EUA”).  Além da aceleração na concessão dos vistos, o projeto determina o aumento da validade do documento.

Também são propostas entrevistas por videoconferência, a criação de postos móveis e até uma taxa de prioridade: quem pagar poderá passar para a frente da fila na hora de tirar o visto.

Um dos pontos mais surpreendentes da lei é a possibilidade da concessão de vistos de residência automáticos para todos os estrangeiros que gastem pelo menos US$ 500 mil em imóveis no país.

Fonte: (da redação)