Publicado em 2/03/2012 as 12:00am

Brasileiras testemunham a paixão pelo esporte

Vários esportes, antes exclusividade dos homens, vêm sendo praticados pelas mulheres ? MMA, boxe e, principalmente, futebol. Além desse fenômeno competitivo, elas exibem conhecimento de dar inveja nos homens, como, por exemplo, das apresentadoras

   Assim, entre homens e mulheres, as distâncias  vão encurtando e o futebol ganhando cada vez mais o interesse delas.  Segundo Amanda França, residente em  New York,  Selma Monteiro e  Elaine Villarinho, em Massachusetts,  esse “contágio” é devido a magia do gol. E esbanjam informações:  AMANDA FRANÇA, do Rio de Janeiro, desde criança torce pelo Vasco da Gama, contrariando as tradições flamenguistas da família, conforme contou:

 “Aos seis anos de idade, o pai de uma amiga que aniversariava nos levou ao Estádio de São Januário para assistirmos o treino do “Gigante da Colina”. Aquilo me impactou e, apesar da pouca idade,  tomei uma decisão:  ser vascaína. Foi amor a primeira vista e daquele dia em diante  minha diversão  predileta era jogar futebol. Meu pai, inclusive, brincava comigo e me ensinava a chutar e a driblar. No entanto, não  se convencia de uma coisa: eu não ser flamenguista. Porém, depois de um tempo, acabou aceitando.  Atualmente vivo nos Estados Unidos  e sempre que posso assisto pela televisão os jogos do  “Vascão”, cuja campanha  este ano foi muito boa  embora tenha perdido a Taça Guanabara”.

O bate-papo culminou na Copa do Mundo de 2014, quando concluiu:

“Todos os países que participarão da Copa estão se preparando muito bem. O favoritismo brasileiro é  algo do passado e mesmo jogando em casa diante da torcida, não   lhe dá garantia alguma. Precisamos mudar, entrar em campo com humildade, determinação e, essencialmente,  melhor futebol!”.

SELMA MONTEIRO, de Belo Horizonte,  reúne em sua família  antigas legendas do futebol mineiro. É prima do ex-atacante Roberto Batata (Cruzeiro), cunhada  do ex-lateral Luizinho (Atlético) e do ex-meia-atacante Noventa (Atlético, América, Vila Nova  e campeão pelo Siderúrgica).   Seu time de coração é o América Mineiro, decacampeão regional (1916 a 1925), cuja façanha  somente foi alcançada pelo ABC F.C. do Rio Grande do Norte (1932 a 1941) e está registrada no Livro dos Recordes, o Guiness World Records.  Selma ainda falou do centenário do clube (fundado em 30 de abril de 1912), que  levou a Câmara Municipal de Belo Horizonte através do Projeto de Lei  1.707/08,  instituir  30 de abril como o “Dia do Torcedor do América Futebol Clube”.

E lembrou de alguns craques  que vestiram a camisa do clube: Jair Bala, Juca Show, Gilberto Silva, Euller e Fred, autor do gol mais rápido do futebol brasileiro, aos 3 segundos e 17 centésimos contra o Vila Nova.  Sobre a  Copa do Mundo de 2014, disse: “Para mim, a seleção deveria ser dirigida pelo Ney Franco ou Muricy Ramalho.  O  goleiro Fábio, do Cruzeiro, merece uma oportunidade e Robinho e Kaká não podem ficar de fora”.

ELAINE VILLARINHO, de Porto Alegre,  cônsul do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense em Massachusetts, EUA,  acompanhou de perto a carreira de Ronaldinho Gaúcho no Estádio Olímpico Monumental. Embora não guarde  rancor do R-10, apoia   o desabafo do presidente gremista:

“O Ronaldinho não deveria ter feito o que fez.  Deixou a torcida revoltada e o presidente Paulo Odone desapontado.  Em 2011, quando tudo parecia acertado  para o seu regresso, assinou com o Flamengo.  Por isso, concordo com a reação do presidente ao dizer que o Ronaldinho “não vai mais ser ídolo no Grêmio e não o contratará mais”.

Elaine também destacou um fato inesquecível na história do tricolor:  a conquista do Mundial Interclubes de 1983, no Japão,   ao vencer o time alemão do Hamburgo.  “Foi demais!”, expressou ela. E apontou outro episódio marcante do Grêmio  no futebol brasileiro:  a  “Calçada da Fama”, no Olímpico, para relembrar seus ídolos. Na lista dos famosos, renovada a cada dois anos,   estão Alcindo, Baltazar, Calvet, Danrlei, Jardel, Mazarópi, Renato Portaluppi, Tarciso, Valdo e tantos mais.  Em relação a  Copa de 2014, comentou:

“O Mano Meneses é um bom técnico, temos grandes jogadores, entretanto, o que está faltando é conjunto”.

Conforme segue a carrugem, breve as mulheres estarão  disputando palmo a palmo com os homens o estrelato mundial do futebol.  E, nessas andanças, que se cuidem os machões, pois disposição e talento  sobram no universo feminino.

Fonte: (por Mauricio Mendes)