Publicado em 2/03/2012 as 12:00am

Direto da prisão, Devair revela que teme morrer se deportado

Em entrevista exclusiva por telefone diretamente da penitenciária de Plymouth ? MA, Devair Lucas revela estar doente, afirma sofrer maus-tratos na prisão, e teme morrer caso seja deportado

Após quase um mês preso, o autor de livros com denúncias contra pastores evangélicos e políticos, o brasileiro Devair Lucas, 51 anos, falou com exclusividade ao BT sobre o tratamento que tem recebido na prisão, o temor de ser deportado, e a sua versão da história do caso que culminou na sua detenção.

Preso no dia 2 de Fevereiro em Marlborough – MA, acusado de falsidade ideológica e por ter duas ordens de prisão expedidas, Devair estaria visitando diversas cidades da região Metrowest com o objetivo de entregar aos prefeitos da região cartas-denúncia sobre pastores e brasileiros da região.  Ao apresentar o documento na prefeitura de Marlborough, um funcionário do local desconfiou do conteúdo da carta, e chamou a polícia para o brasileiro.  Após realizarem uma checagem criminal e conferir os documentos de Devair, os policiais deram voz de prisão ao mineiro, afirmando que ele teria falhado em responder às acusações por dirigir sem habilitação válida anos atrás. Levado para uma prisão na cidade de Westborough – MA, Devair foi em seguida colocado sob custódia do ICE, uma vez que ele ainda não é cidadão norte-americano, possuindo apenas o Green Card.

Ao ser notificado, o ICE constatou que o brasileiro teria utilizado um nome falso durante aplicação para o seu processo de anistia, Lucas Teodoro Lima, nome esse que Devair utilizou para entrar no país. Segundo  o registro de seus documentos no Brasil, ele se chamaria apenas Devair Lucas. Após constatada a fraude, ele foi encaminhado para a penitenciária de Plymouth, onde segue preso até o presente momento.  “Segundo meu advogado, tenho 50% de ser deportado. Caso isso aconteça, não tenho dúvidas que em menos de 24 horas após chegar no Brasil, serei um homem morto” afirma Devair, temendo retaliações daqueles que já foram alvos de denúncias em seus livros.

 Dar destaque “Me mandaram tomar água da privada” afirma Devair sobre maus-tratos

Além do medo de perder o Green Card e ser mandado de volta para o Brasil, Devair afirma que pode morrer ainda na prisão, por estar sofrendo de doenças do coração, diabetes e pressão alta. “ Eu pedi os remédios que normalmente eu tomo, mas até agora eles não me deram nada. Estou com medo de morrer aqui dentro” afirma ele, que também revela estar passando fome e sofrendo maus-tratos. “Eles nos dão muita pouca comida na hora das refeições. Depois de reclamar com um policial que eu estava com fome e sede, ele me mandou tomar água da privada” confidencia o mineiro, salientando que ele não é o único a sofrer maus-tratos na prisão. “Os americanos tem tratamento especial. Os brasileiros e hispânicos, são tratados como animais” completa.

O advogado de defesa está tentando provar que ele teve que realizar esse a troca de nomes para poder sair do Brasil com segurança e não ser identificado pelos seus inimigos. Como ele estava envolvido em escândalos com pessoas influentes, políticos e autoridades federais, ele decidiu não usar o nome verdadeiro para evitar ser pego na saída do país. “Infelizmente estou na mão de um agente de Imigração, que tem poder de me deportar a qualquer momento. Se não morrer na prisão, irei morrer no Brasil” completa Devair.

História que rendeu livro, documentário e website

Com um projeto envolvendo livros, um documentário e um website de denúncia,  chamados ‘A Hora da Verdade’ , Devair criou polêmica na comunidade ao realizar diversas denúncias contra políticos, pastores evangélicos e autoridades que ele responsabilizava pelos casos de tortura e perseguição ocorridos na sua vida. Depois de conseguir proteção nos Estados Unidos, Devair iniciou um trabalho de denúncias com o objetivo único de mostrar a cara de seus perseguidores e relatar para a comunidade quem realmente é cada um dos envolvidos. Para isso ele escreveu um livro em 2008, detalhando todas as ações praticadas pelo grupo, com provas e documentos oficiais para cada acusação. Outra iniciativa do mineiro foi abrir um site intitulado “A Hora da Verdade” onde tem postava diariamente publicações em jornais, vídeos e outras denúncias contra seus desafetos.

O site www.ahoradaverdade.com tem até mesmo vídeos de Devair, quando ele foi testemunha contra a tentativa de desmascarar e prender a quadrilha em questão. “Minha intenção é mostrar quem são estas pessoas, pois foram elas que motivaram a minha saída do país que tanto amo” disse, em entrevista ao BT em julho do ano passado.

Natural de Governador Valadares, o mineiro Devair tem uma história de vida marcada por muitos dramas. Em 1995, na época ainda um empresário do ramo de imóveis, ele comprou uma fazenda do deputado federal de Minas Gerais, com o intuito de lançar o seu próximo empreendimento imobiliário. “Mas ele vendeu a mesma fazenda para outra pessoa e falsificou a minha assinatura para justificar uma quebra contratual”, explicou Devair para a reportagem do BT. Com o intuito de denunciar o golpe, Devair distribuiu 260 mil cartas relatando a sua história. A retaliação veio com muitas ameaças, seguidas de espancamentos e culminando até numa tentativa de assassinato que deixou uma bala alojada na cabeça do mineiro. Desesperado, ele imigrou para os EUA na tentativa de sobreviver.

Fonte: (da redação)