Publicado em 27/04/2012 as 12:00am

Brasileiros participam de encontro para a família em Marlboro

Brasileiros participam de encontro para a família em Marlboro

    

Foi realizado em Marlboro, no último sábado, 21, o 3° Encontro para a Família, com o tema “A família: o trabalho e a festa”, baseado na Catequese do Papa Bento XVI para o XVII Encontro Mundial para as Famílias a ser realizado em Milão em maio. O encontro foi bem participado, contando com dezenas de pessoas, membros das comunidades católicas brasileiras e portuguesas de Marlboro e Hudson. Padre. Celso M.  Lima deu início ao violão, e juntamente com a Pastoral da Música, animou o grupo com um louvor,  já os preparando para receber as mensagens do dia. Ele reforçou o tema que vem sendo trabalhado nos últimos dois encontros, e falou como este era uma oportunidade de estendermos as orações para nossas famílias, lembrando que a Igreja deve ser lugar de encontro para todas as famílias.

O Padre José Eduardo Marques, coordenador do Apostolado Brasileiro,  apresentou a primeira palestra, “A festa, tempo para a família”. Este tema coloca a “festa” como uma frequente convivência em família, onde o casal tem tempo entre si e com os filhos, e como é fundamental expressarmos o amor em gestos concretos, tanto de esposo para esposa, quanto dos pais para os filhos, através de palavras, abraços, elogios, e outros gestos diários que não podem faltar no convívio familiar, para que os filhos cresçam na certeza do amor entre seus pais e para com eles, a exemplo da Família de Nazaré, onde Jesus cresceu com sua mãe Maria e seu pai adotivo, José. Ali, no meio de Sua família, na dimensão humana, Jesus aprendeu  a amar, a trabalhar com seu pai, a viver em harmonia com os irmãos que encontrava em sua caminhada e aos quais pregava, de acordo com a realidade que havia vivido. Com certeza havia problemas também, como há hoje nas famílias, porém sentia o equilíbrio de uma família que oferecia o suporte, o convívio, o carinho, o abraço que cura, e um berço que  o sustentava nas horas difíceis. É fundamental que a família se organize em relação aos horários de trabalho, principalmente na nossa realidade aqui na América, e crie tempo para o convívio familiar, para o lazer, para as refeições ao redor da mesa, onde se reza juntos, onde se partilha o alimento e o dia-a-dia. Também é essencial ensinar os filhos a partilhar os afazeres de casa, afinal todos fazem parte da família e devem ter responsablidades em comum.

Padre José Eduardo também nos alertou do perigo de se ter sempre a casa cheia de amigos, e não dedicar  tempo suficiente entre os seus, o que é muitas vezes uma fuga. A Família deve ser um lugar de festa, onde nos divertimos, descansamos, e celebramos juntos.

Após um delicioso lanche preparado pela equipe do encontro, Irmã Elisete Signor explorou o tema ”A festa, tempo para o Senhor”. Iniciou com uma dinâmica onde pediu que as pessoas refletissem sobre sua infância, como era o tempo dedicado para o Senhor. Os participantes partilharam então suas experiências: de orações à noite, de rezar o terço, de ser coroinha, de participar da missa aos domingos, do pai que lia a Bíblia e refletia em família, da Ave Maria que rezavam todo dia, e outras experiências. Irmã Elisete nos fez pensar como essas memórias hoje nos fazem felizes, e perguntou: “Como estamos organizando este espaço de dedicar  tempo para o Senhor na nossa família?” Em um trecho retirado da Sagrada Escritura (Marcos 2, 23-28), compartilhou algumas mensagens que o Senhor nos colocou: sem Jesus nada podemos fazer; devemos estar prontos a obedecê-lo, e saber que tudo o que precisamos está nEle; se entregamos tudo nas mãos de Jesus, tudo sai melhor do que planejamos; nada do que o Senhor tem preparado para nós vai se perder ; a brasa viva vem do altar, e quando você vai a missa, o altar deve ser essa brasa que o alimenta e o preenche; Jesus é que opera sempre o milagre.

Na família de hoje, como dedicamos o tempo para o Senhor? Se erramos até agora, ainda é tempo de recomeçar. O domingo da ressurreição não deve ser somente um dia de folga, ou para o trabalho de casa, futilidades, ou prazeres. Devemos criar o tempo para tudo, para a família, para o prazer, e para o Sagrado. Assim, tudo fica mais tranquilo, os conflitos se resolvem com mais facilidade.  Jesus ressuscitado deve ser o Centro de nossa vida. Devemos organizer a vida de nossa família e separar um tempo para o Senhor.

O Encontro finalizou com a missa presidida pelo Padre Celso. Em sua Homilia, o sacerdote lembrou da importância de revermos os artigos do VII Encontro Mundial no site*. No tema: “A festa, tempo para a comunidade”, relembra que a “festa” é para humanizar o tempo que nós não temos, que parece ser o nosso grande inimigo. Logo estaremos indo ao encontro com o Pai, para a Páscoa definitiva. A igreja nos convida para uma Páscoa semanal, para a missa, uma festa em comunidade, a celebração da nossa vida, celebração de alegria, esperança, lágrimas, de oferecer nossa familia no altar de Deus. O Domingo perdeu seu significado, por culpa nossa, está descaracterizado, pois fizemos dele, um dia qualquer, um dia de pausa para atividades vazias, de se falar da vida alheia, “encher a cara”, assistir futebol, dormir, comer, fugir da familia, deixando assim de ser o dia do Senhor.

Principalmente aqui nesta terra, nesta situação de vida, é necessário compor nosso Domingo com aquilo que é saudável, que nos ajuda a sermos melhores para o Senhor, pois quanto mais estivermos na direção do Mestre, mais estaremos fazendo pela nossa familia. Domingo é dia de rezar, de ir à Igreja, de vivermos em comunidade, de encontrarmos com a Palavra, de recuperarmos nossas forças, de repouso e santidade,  tomando posse da Páscoa, da Ressurreição de Cristo.

A familia cristã precisa do trabalho, do descanso, da santificação e da humanização. Existe uma pobreza humana em nossos lares, e a dimensão espiritual passa por uma crise, não se reza em familia. Em relações humanas sadias encontramos o divino. Quanto mais humanos formos, mais divinos seremos.

Durante a semana corremos atrás das necessidades, dos afazeres com os filhos, com a casa, com o trabalho, nos ocupamos com as preocupações, mas o Domingo, é tempo para Deus, tempo de dedicar sua vida e sua família para a comunidade cristã, para celebrar a Páscoa. Doe o seu melhor pela sua família no Domingo, sem deixar de lado o Senhor.  Os 3 Encontros acabaram, agora inicia nossa missão de trabalhar com as famílias, juntamente com a Pastoral Familiar, de evangelizarmos e de espalharmos essa proposta para as outras comunidades.

Fonte: Marise C. Pimenta