Publicado em 6/06/2012 as 12:00am

Arraial do Felipe visa levantar fundos para tratamento de doença

Desde que o pequeno Felipe chegou à Massachusetts, a comunidade brasileira tem se mobilizado no sentido de ajudá-lo em sua luta contra a "Histiocitose de células de Langherhans", uma doença multissistêmica que já havia se instalado no fígado e pulmões, al

Luciano Sodré Desde que o pequeno Felipe chegou à Massachusetts, a comunidade brasileira tem se mobilizado no sentido de ajudá-lo em sua luta contra a "Histiocitose de células de Langherhans", uma doença multissistêmica que já havia se instalado no fígado e pulmões, além de apresentar lesões na pele. Em busca de ajudá-lo, a sua família mudou-se para os Estados Unidos em busca de um tratamento que pode chegar a US$1 milhão e para isso tem contado com a solidariedade de toda a comunidade. No dia 10 deste mês acontecerá no estacionamento do Club Luis de Camões, em Stoughton, uma grande festa para levantar fundos para esta campanha. Intitulada "Arraial do Felipe", o evento terá muita animação com danças típicas do sul brasileiro, comidas da culinária brasileira e portuguesa e diversas brincadeiras. Além disso haverá rifas de vários brindes, a divertida corrida do porquinho da índia, muita música e a solidariedade do povo brasileiro. A animação está a cargo de DJ Boris e DJ Binho. A festança começará às 10 horas com o término previsto para às 20 horas. Para obter mais informações sobre como participar ou ajudar na festa é só entrar em contato com Lídia, através do telefone (617) 938-0506. A HISTÓRIA O menino nasceu saudável, em setembro de 2008, no Mato Grosso do Sul. Sua família conta que ele um bebê cheio de vida e muito amado por todos. Mas, aos nove meses de vida começou apresentar alguns problemas que interferiram em seu desenvolvimento. Após muitas visitas a diversos especialistas, no Brasil, foi solicitado que fosse realizada uma biópsia do fígado para constatar o que ele tinha. O resultado dos exames foi entregue à família no dia 20 de abril de 2010 e o bebê de apenas 18 meses de vida era portador de uma doença rara, chamada "Histiocitose de células de Langherhans". A presença dessa doença no fígado havia causado uma doença secundária e também muito rara, "Colangite Esclerosante". As duas doenças, além de raras, inspiram cuidados especiais pois o fígado pode entrar em colapso a qualquer momento. Em especial, a colangite esclerosante só é curada após transplante do fígado. Depois de muita luta e poucos resultados, a família decidiu tentar fazer o tratamento nos Estados Unidos, em busca de cuidados mais avançados e uma maior atenção ao caso. Desde então Felipe e sua família tem recebido total apoio das pessoas, hospitais, especialistas e toda a comunidade brasileira.

Fonte: Brazilian Times

Top News