Publicado em 6/07/2012 as 12:00am

Irmão explica prisão de pastor evangélico em MA

O pastor José Roberto foi preso pela imigração e luta para permanecer no país

O pastor José Roberto foi preso pela imigração e luta para permanecer no país

Luciano Sodré

a sua versão do que aconteceu com o pastor evangélico e diretor do Garra Security. Segundo ele, a prisão não foi devido à problemas de violência doméstica e sim pelo "status" ilegal dele no país.

Elifas conta que Roberto recebeu uma notificação para comparecer ao escritório da Imigração em Boston e esclarecer informações sobre um funcionário que estaria sendo procurado. "O problema é que meu irmão não está em situação legal nos Estados Unidos e por isso estava receoso em ir", fala ressaltando que ligou para um agente em busca de saber o que fazer.

A determinação era apenas uma, segunda Elifas: "Seu irmão precisava comparecer ao escritório e não havia nada contra ele". Mas ao chegar ao local, acompanhado de uma tradutora, Roberto se deparou com a ordem de prisão, porque acabaram checando o seu status e descobriram que ele era um imigrante sem autorização para estar no país.

A

Em conversa com a redação do jornal Brazilian Times, o irmão de José Roberto, Elifas, explicou família de Roberto, que é de Governador Valadares (Minas Gerais), procurou um advogado para ajudar no caso e tentar fazer com que ele permaneça no nos EUA. Segundo Elifas, existe uma grande possibilidade dele não ser deportado, pois conforme documentos, "o pastor foi preso pela imigração ao entrar no país, mas não recebeu carta para comparecer a corte e nem ordem de deportação.

Elifas explica que Roberto entrou pelo México e foi preso na fronteira, em 2005. "Mas o meu irmão foi liberado e não recebeu nenhuma carta ou intimação para ir à Corte", fala ressalta que é baseado nisso que o advogado tem esperanças de vencer o caso. "Como ele foi preso e não recebeu carta de deportação, presume-se que a Imigração permitiu a sua entrada no país", complementa.

Na terça-feira (03), o advogado encaminhou ao Juiz de Imigração de Boston uma solicitação de fiança para que o pastor possa responder o processo em liberdade. "Estamos aguardando a respostas", fala.

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Quanto ao caso de violência doméstica, Elifas afirma que tudo ficou esclarecido e que a ex-esposa de Roberto o havia denunciado por agressão."Mas dia 27 de fevereiro deste ano, ele foi absolvido por não haver provas contra ele", fala. Para ele, o irmão foi vítima de uma armação. A reportagem tentou entrar em contato com ela, mas não obteve êxito.

NO PRESÍDIO

Assim que foi preso e levado ao presídio, Roberto foi colocado em uma cela onde já estavam seis brasileiros. Imediatamente, o pastor iniciou um trabalho de evangelização e conseguiu que o diretor do local liberasse dois horários para ele fazer as pregações.

Segundo Elifas, Roberto está realizando pregações as 8 e as às 18 horas e já conseguiu pregar para todos os presos e policiais. "Todos os dias, sete brasileiros chegam ao presídio e três são deportados", fala o irmão

Outra questão levantada por Roberto, quando conversou com seu irmão, é que existe uma equipe de agentes da Imigração especializada em encontrar brasileiros indocumentados através do Facebook. "Quando ele entrou no escritório do ICE, viu vários computadores com telas abertas no site de relacionamento e nomes de brasileiros expostos", disse.

Fonte: Brazilian Times