Publicado em 18/07/2012 as 12:00am

Brasileiro entra em processo de deportação por ter visto vencido

Orlando Bastos foi parado no trânsito e para ele, o seu nome só foi enviado para o Departamento de Imigração devido a aplicação do programa "Secure Communities"

Orlando Bastos foi parado no trânsito e para ele, o seu nome só foi enviado para o Departamento de Imigração devido a aplicação do programa "Secure Communities"

Luciano Sodré

Há cerca de um mês, o curitibano Orlando Bastos, que vive nos Estados Unidos há 11 anos, foi parado, pela terceira vez por um policial de trânsito na cidade de Everett. Após a abordagem, os dados do brasileiro foi enviado para o Departamento de Imigração. "Isso só aconteceu porque foi ativado, no estado, o programa Secure Communities", explica.

Orlando fala que a primeira vez que ele foi parado, há alguns meses, apresentou uma carteira de motorista do estado de Washington. Mas o policial que fez a abordagem confiscou o documento e desde então o brasileiro estava dirigindo sem habilitação. Na segunda parada, ele foi intimado a comparecer à Côrte e pagar uma multa de US$400 (pouco mais de R$ 800,00).

Mas a terceira abordagem foi a que mais prejudicou o brasileiro, pois agora terá que deixar os Estados Unidos. "Como os meus dados foram enviados para a Imigração e constatado que meu visto havia expirado, eles não me deram chance e me colocaram em um processo de deportação", fala.

Após checarem o nome, Orlando foi preso e encaminhado para uma Côrte de Imigração. "O juiz me disse que não tinha mais chance, pois a tentativa de impedir minha deportação deveria acontecer antes do processo ser encaminhado para uma audiência. "Eles me deram duas opções, sendo que a primeira teria que aguardar em uma prisão a conclusão do julgamento, e a outra seria uma deportação voluntária onde eu custeasse todas as despesas, inclusive comprando a passagem", explica.

Orlando foi sócio no jornal A Semana e estava trabalhando como delivery, mas como ficou sem carteira e com medo de dirigir, ele não pode mais trabalhar utilizando o seu carro. "Tentei trabalhar na construção civil, mas tenho diabetes e o calor me fez passar mal", fala acrescentando que está muito preocupado, pois sem emprego não tem como custear as despesas de casa (alimentação, aluguel, etc) e nem comprar a passagem.

Caso ele não se apresenta no dia marcado com a passagem em mãos, Orlando se tornará um procurado e não terá mais chances de uma deportação voluntária. Por isso o brasileiro está buscando ajuda de amigos para conseguir levantar o dinheiro e pagar todas as contas para sair deste país de cabeça erguida.

Os amigos se juntaram e aconselharam que ele fizesse uma rifa e doaram alguns artigos para serem sorteados. Entre os produtos adquiridos até agora, está um relógio (doado pela Wagner Jewelry), uma jóia (doada pela Fátima Tradutora), uma pedra preciosa (doada pelo cantor Wando), um pôster (doado pela Maximus Printing de Lowell), um óculos de sol (doado pela Ótica Brasil) e 10 livros "Fronteira" (dados pelo escrito Luciano Sodré).

A rifa será sorteada no dia 15 de agosto, no programa da Fátima Tradutora, que vai ao ar pela emissora de rádio 1330 AM, das 14 ás 15 horas. As rifas podem ser adquiridas em alguns pontos comerciais na cidade de Somerville e Everett ou através do telefone (857) 246-2636. "Quem quiser me ajudar basta me ligar que indicarei onde encontrar as rifas", fala.

Fonte: Brazilian Times