Publicado em 1/08/2012 as 12:00am

Indocumentados não poderão registrar veículos em Massachusetts

Brasileiros comentam a aprovação da emenda imposta pelos legisladores do estado

Brasileiros comentam a aprovação da emenda imposta pelos legisladores do estado

Luciano Sodré

Com a implantação de uma emenda no orçamento de Massachusetts, os veículos só poderão ser registrados por pessoas que estejam vivendo legalmente nos Estados Unidos. A atitude dos legisladores, que derrubaram o veto do governador Deval Patrick e mantiveram a leitura anti-imigrante, poderá prejudicar muito a economia do estado, bem como provocar um êxodo.

Alguns pessoas ligadas às entidades que defendem os direitos dos brasileiros, empresários e profissionais liberais foram ouvidos pela equipe de reportagem do jornal Brazilian Times e falaram o que pensam sobre o assunto.

PASTOR WALTER MOURISSO, membro/suplente do Conselho de Representantes de Brasileiros no Exterior (CRBE): "Apesar de parecer impossível inverter a situação, não devemos desanimar, pois só pelo fato de estarmos vivendo neste país, já é uma grande vitória. O que precisamos é mostrar para cada legislador que votou contra a nossa comunidade, que somos importantes e fazemos a diferença no crescimento do estado. A maneira para fazer isso caberá a nós mesmos, pois devemos nos unir e mostrar que temos voz e somos muitos. Por enquanto aconselho aos imigrantes que dirijam com cuidado, respeitem algumas normas essenciais, tais como abuso em festas, evitem dirigir com o carro irregular, entre outros pontos que podem chamar a atenção das autoridades. A emenda só foi aplicada porque cresceu um sentimento anti-imigrante entre alguns deputados, provocado pelos acidentes de trânsito envolvendo imigrantes e que terminaram com a morte de alguns norte-americanos, por isso este sentimento pode estar por aí, só esperando um deslize para prendê-los".

MÁRCIO PORTO, presidente da Central do Trabalhador Imigrante Brasileiro nos Estados Unidos (CTIB/US), "dizer que os legisladores não sabiam que esta emenda traria um prejuízo grande ao estado é uma mentira, pois todos sabem o que significa perseguir mais de um milhão de pessoas. Não adianta mais bater na mesma tecla, pois o leite já derramou. O que deveríamos era ter evitado que isso acontecesse. O Governador Deval Patrick, por duas vezes, conclamou a comunidade imigrante para se fazer presente na State House e mostrar a sua força. Nós poderíamos ter colocado lá mais de 30 pessoas, mas isso não aconteceu, o que mostra claramente uma comunidade imigrante desunida e que não fala a mesma língua. O que temos que fazer agora é preparar uma estratégia e esperar o momento certo para fazer uma grande manifestação e conseguir o maior número de imigrantes para protestar. Precisamos da mídia, precisamos da entidades, precisamos das pessoas, precisamos de vocês para traçar um futuro melhor para o imigrante. É primordial que paremos de atirar pedras, criticar e devemos esquecer as nossas diferenças e pensar apenas em uma coisa - lutar pelos nossos direitos. Esta emenda, quando for colocada em prática, trará um impacto negativo muito grande para todas as comunidades, inclusive a norte-americana que precisa da mão-de-obra dos imigrantes. Outra preocupação é que o medo possa motivar as pessoas a sair do estado em busca de lugares mais acolhedores e algumas já pensam até em retornar para o Brasil. Todos vamos sofrer com a emenda e não apenas os imigrantes indocumentados, por isso é importante a união em prol de todos".

FAUSTO DA ROCHA, Conselheiro do Conselho de Representante de Brasileiros no Exterior (CRBE), "Realmente ninguém esperava que isso fosse acontecer, pois Massachusetts tem um história de estado acolhedor dos imigrantes e o seu governador tem uma aproximação com estas comunidades. Mas precisamos ter calma e não promover o desespero, pois vários estados tem esta mesma lei e nem por isso os imigrantes deixaram de fixar residência neles. O que precisamos, agora, é nos adaptar às novas regras. O brasileiro, desde o momento em que chegou aos Estados Unidos, vive uma vida de adaptação e sempre tem que enfrentar alguma lei ou mudança no cenário político norte-americano. Tenho certeza de que um dos benefícios que esta medida trará será a redução de deportações, pois recentemente muitos imigrantes foram deportados depois de terem sido presos no trânsito. Com a proibição, os imigrantes não poderão dirigir e desta maneira não ficarão expostos à alguma abordagem policial. Sou sabedor de que o medo é maior do que a confiança, pois em menos de dois meses o estado recebe duas medidas que promovem a perseguição à imigrantes. A primeira foi a aplicação do programa Comunidades Seguras e agora esta de proibir o registro para indocumentados. Mas temos que esperar e não nos alarmar, apenas sermos calmos e fazer as coisas certas, pois em breve os legisladores perceberão o erro que cometeram e poderão propor algo para compensar a falha. Talvez este seja o momento para retomarmos os manifestos em prol da carteira de motorista para os indocumentados, pois a medida vai afetar não apenas os imigrantes, mas todos de um modo geral. Mas a princípio temos que nos adaptar e as entidades devem fornecer orientações sobre quais os melhores caminhos para seguir nesta etapa".

SUE O´BRIEN, Diretora da OBTS Services e Presidente do Conselho da CTIB, "Infelizmente o que aconteceu nos pegou de surpresa e vai gerar um impacto negativo muito grande na economia do estado e na vida das pessoas. Tenho certeza de que esta emenda foi feita de maneira impensada, motivada pelas mortes causadas por imigrantes, no trânsito. Os autores da medida e seus apoiadores não analisaram os prejuízos que ela trará a curto tempo para o desenvolvimento de Massachusetts. Não serão apenas os indocumentados os prejudicados, mas empresários, lojistas, bancos, seguradoras, sem falar nas famílias. O Estado vai sentir com a falta de verba que deixará de entrar nos cofres públicos depois que os mais de milhão de imigrantes deixarem de pagar o seguro e registros dos veículos. Mas mesmo assim, não podemos perder a esperança e devemos lutar e mostrar para os legisladores que a comunidade é importante para a economia e faz a diferença. É preciso traçar uma estratégia bem inteligente que mostre o poder econômico dos imigrantes para o crescimento de Massachusetts e apresentá-la na State House. Quanto à questão do medo que a medida promoveria na comunidade, isso já está acontecendo, pois várias pessoas me ligaram relatando que já compraram passagem de volta para o Brasil ou para outro estado".

JOÃO ARRUDA, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas dos Estados Unidos (CDL-US), "Na noite de terça-feira (31 de agosto), os membros da CDL se reuniram para discutir o assunto e decidiram realizar uma nova reunião, no dia 07 de agosto, na sede do Centro do Imigrante Brasileiro (CIB), em Allston. Nós convidaremos outras entidades para participar e pretendemos elaborar uma estratégia para conseguir reverter o quadro. O comércio brasileiro sentiu na pele os efeitos desta medida, antes mesmo dela entrar em vigor. As pessoas estão desmotivadas, sem ânimo e muitos querem retornar ao Brasil. Mas a medida será implantada somente em 2013, e até lá temos tempo para trabalhar e tentar mudar a opinião dos legisladores. Enquanto isso devemos agir com cautela, respeitando as normas, evitando confusões para não envolver a polícia, pois muitos policiais estão aproveitando estas medidas para prenderem os imigrantes. Se não fizermos algo, as portas dos estabelecimentos brasileiros se fecharão aos poucos".

Fonte: Brazilian Times