Publicado em 3/08/2012 as 12:00am

Imigrantes se naturalizam cidadãos dos EUA

Foi um momento de orgulho para 51 imigrantes de 20 países, que se tornaram cidadãos dos Estados Unidos, na manhã de quinta-feira (02), na cidade de Fall River, em Massachusetts. Agitando bandeiras e sorrindo emocionados, eles fizeram

da redação

Foi um momento de orgulho para 51 imigrantes de 20 países, que se tornaram cidadãos dos Estados Unidos, na manhã de quinta-feira (02), na cidade de Fall River, em Massachusetts. Agitando bandeiras e sorrindo emocionados, eles fizeram o juramento de fidelidade ao país.

Durante a cerimônia, a juiz da Suprema corte do estado, Susan Garsh, disse que era uma emoção muito grande e que estava feliz em poder chamar a todos de compatriotas. "Obrigado por se tornarem parte da tradição norte-americana", agradeceu.

Garsh, uma esposa e filha de imigrantes, disse que foi por causa das lutas de suas famílias, que ela pode prosseguir os estudos e concluir o ensino superior que a levou a ser adjunto na Suprema Corte.

Em seu discurso, ela ressaltou que agora este imigrantes participarão diretamente das decisões dos Estados Unidos, pagando impostos, obedecendo leis, escolhendo os melhores candidatos para votarem e até servir como jurados em julgamentos. "Tornar-se um cidadão dos Estados Unidos não o obriga a esquecer a sua terra natal e tampouco as suas culturas e tradições", disse.

os novos cidadãos norte-americanos são oriundos do Afeganistão, Bangladesh, Bermuda, Bolívia, Brasil, Birmânia, Cabo Verde, República Dominicana, El Salvador, França, Guatemala, Haiti, Itália, Jamaica, Nepal, Portugal, Romênia, Rússia, Senegal e Vietnã. "Estou muito feliz em me tornar um cidadão deste país", disse Swan Htun, da Birmânia.

Tasnina Chowdhury, de Bangladesh, está no país há cinco anos e sua filha tinha 12 anos quando eles chegaram. Chowdhury disse que ela veio para a América para "conseguir uma vida melhor para a sua filha ter poder oferecer uma educação melhor para ela".

José Gonçalves, de Cabo Verde, se mudou para os Estados Unidos há 11 anos afirma que "está realizando um sonho". Ele aponta as vantagens com a cidadania, pois agora terá um emprego melhor, além de outros benefícios.

Fonte: Brazilian Times