Publicado em 29/08/2012 as 12:00am

Republicano é acusado de estuprar brasileira em Utah

Gregory disse que era um político influente e que iria deportá-la se ela o denunciasse para as autoridades

Gregory disse que era um político influente e que iria deportá-la se ela o denunciasse para as autoridades

da redação

Um empresário e importante angariador de fundos do Partido Republicano está enfrentando sérias acusações de estupros. Na semana passada, a quarta vítima alegou que Gregory Nathan Peterson, 37 anos, a teria agredido e em seguida a estuprado duas vezes, depois de levá-la para uma cabana.

A vítima tem 34 anos de idade e vive na cidade de Salt Lake City, em Utah. Ela foi a última testemunha em um processo que poderá condenar o empresário por múltiplos estupros. Entre as vítimas está uma brasileira e todas afirmaram que conheceram o militante republicano em um site de encontros, em março do ano passado.

Uma das vítimas afirmou, em tribunal, que aceitou o convite de Nathan para ir ao cinema com ele, mas ao entrar no carro foi surpreendida pelo empresário segurando uma arma e ordenando que ela acariciasse seus órgãos genitais e beijasse o seu pescoço. Em seguida, ele a agrediu e a levou para a cabana, onde a jogou na cama e começou a estuprá-la.

No dia seguinte, ela conseguiu fugir e foi até a casa de um amigo, onde chamou a polícia. Os exames mostraram que ela sofreu sangramento vaginal e teve a região anal machucada.

A Brasileira chorou, no tribunal, e descreveu a sua situação como momentos de tortura. Ela disse que conheceu Peterson no Facebook em junho deste ano e ele a convidou para um churrasco em sua cabana, no dia 1º de julho, mas eles tiveram pouco contato.

No dia seguinte, ele ligou para ela e a convidou para assistir a um filme em sua cabana. Ao chegar no local, ela foi agredida e violentada sexualmente. A vítima tremia e recusou-se a olhar para o acusado, chamando-o de monstro.

Ela afirmou que Peterson se apresentou como um político poderoso e influente e a ameaçou deportá-la se ela o denunciasse para as autoridades. A brasileira está vivendo ilegalmente nos Estados Unidos.

Segundo a brasileira, o empresário recusou-se a levá-la para a casa de sua mãe depois do estupro e a manteve sob cativeiro na cabana entre os dias 3 e 5 julho. "Eu tive muito medo, pois ele era muito violento", disse ressaltando que ele a levou para vários lugares e não permitia que ela escapasse. "Finalmente no terceiro dia ele decidiu me soltar", conclui.

O acusado ouviu o depoimento de cada uma das mulheres e será julgado por 23 acusações, incluindo agressões, estupros e sequestros. Ele está na prisão desde o dia 18 de julho. Hoje, dia 29 de agosto, ele retorna ao tribunal.

Fonte: Brazilian Times