Publicado em 14/09/2012 as 12:00am

Brasileira é acusada de esfaquear filho de 7 anos

"Uma voz dizia na minha cabeça para matar meu filho", confessou Maísa, que acorrentou a criança antes de esfaqueá-la

"Uma voz dizia na minha cabeça para matar meu filho", confessou Maísa, que acorrentou a criança antes de esfaqueá-la

da redação

A brasileira Maísa Alvarez, 42 anos, foi presa na terça-feira (11), na cidade de Lake Wales, na Flórida, sob a acusação de ter esfaqueado o próprio filho, de sete anos de idade. De acordo com informações, foi ela quem ligou para o departamento de Polícia para relatar o que havia acontecido e assumindo a autoria do crime.

A brasileira teria contado aos investigadores que esfaqueou a criança no peito enquanto ela dormia. Em seu pré-depoimento, Maísa afirmou que o menino acordou enquanto ela o acorrentava, "o que levou a esfaqueá-lo de repente".

Em um comunicado, o Departamento de Polícia de Lake Wales, a criança tentou se defender dos ataques da mãe e por isso ficou com cortes nos braços. Quando os policiais chegaram à casa da brasileira, encontraram muito sangue na cama, no chão e sobre ela.

A criança foi levada para o Arnold Palmer Children's Hospital em Orlando, e de acordo com um boletim divulgado, ela não corre risco de morte. "Nenhum ferimento coloca em perigo a vida da vítima", disse uma nota da direção do hospital.

Os vizinhos ficaram assustados com a notícia e qualificam a brasileira como uma pessoa amigável e sempre sorridente. "Ela sempre acenava quando passava por nós", relatou Margrit McCown, membro da associação do bairro de Highland Crest.

A brasileira e o marido se mudaram para a cidade, depois que ele conseguiu um emprego em uma fábrica de suco de laranja. O pai não estava em casa no momento da tentativa de homicídio.

O vice-chefe de polícia da cidade, Trey Schultz, disse que durante o interrogatório, a brasileira se manteve calma e "com um olhar vazio e perdido". Ainda não foi divulgado o motivo que levou a mãe a cometer este crime.

Durante a sua primeira audiência, na quarta-feira (12), ela disse ao juiz que escutou vozes que pedia para que ela matasse o menino. Ela está detida na cadeia do condado de Polk, sem direito a fiança e responderá pela acusação de tentativa de homicídio em primeiro grau e abuso de menor.

Maísa relatou, com a ajuda de uma intérprete, que pegou as correntes na gaveta de uma cômoda no quarto, em seguida dirigiu-se até a cozinha e escolheu duas facas que estavam no balcão da pia. Ela ressaltou que queria se matar para não cometer o crime,mas não conseguiu e algo a forçava ir até a criança.

No seu depoimento, ela conta que entrou no quarto, viu o menino dormindo, enrolou as correntes no pulso dele e depois, quando ele despertou, começou esfaqueá-lo no peito, ombros e braços. "Ele perguntou o que eu estava fazendo", relatou ela e neste momento ela parou e ligou para o 911.

O pai da criança não quer conversar com a imprensa sobre o caso e os funcionários do Department of Children and Families estão em contato com ele, e como não há mais ameaças, o DCF planeja deixar a custódia do menino para o pai.

Fonte: Brazilian Times