Publicado em 28/09/2012 as 12:00am

Policiais federais fazem protesto em NY

A manifestação foi pacífica, não sendo permitidas agressões físicas nem verbais

A manifestação foi pacífica, não sendo permitidas agressões físicas nem verbais

Na terça-feira (25), agentes da Polícia Federal do Brasil realizaram uma manifestação em frente à sede da Organização das Nações Unidas (ONU). Os ativistas aproveitaram a presença da presidente Dilma Rousseff no encontro de chefes de estado que aconteceu essa semana em New York para pedirem a equiparação salarial da categoria. O protesto foi pacífico, não sendo permitidas agressões físicas nem verbais, ou seja, apenas palavras de ordem, por exemplo, “S.O.S Brazilian Federal Police”, “Security in first place”, entre outras.

Segundo manifestantes, apesar de ser necessário ter diploma universitário para ingressar na Polícia Federal, alguns cargos, entre eles agentes, escrivães e papilocopistas (identificam pessoas através das impressões digitais) estão sujeitos ao mesmo piso salarial de funcionários portadores do diploma do 2º grau.  

“Hoje nossa greve completa 51 dias, recusamos o aumento de 15% oferecido pelo Governo porque o dinheiro é o menos importante que queremos nesse momento, não que seja dispensável. Lutamos principalmente pela reestruturação da carreira dos agentes (investigadores), escrivães (únicos da PF que possuem fá pública) e papilocopistas. Todos esses, além de suas funções principais exercem centenas de outras acessórias. O problema não é a função, mas a falta de reconhecimento dela. A situação é muito mais complexa do que você ou qualquer pessoa de fora possa imaginar”, disse uma manifestante.

“Uma das exigências para os concursos públicos dos EPAs (Escrivão, Papiloscopista e Agente) é o diploma do curso superior. A categoria de curso superior dos EPAs já foi reconhecida pelo Ministério do Planejamento, mas no orçamento o Governo insiste em nos classificar como nível médio. Exercemos atividades complexas e cada um extrai de si sua especialidade: Médicos, dentistas, engenheiros, administradores, advogados e etc”, acrescentou ela.

Ainda na terça-feira (25), os manifestantes planejaram realizar uma vigília em frente ao hotel onde ficou hospedada a presidente Dilma Rousseff, em Manhattan – NY.

Fonte: Braziliantimes