Publicado em 5/11/2012 as 12:00am

Cearenses visitam os EUA em missão diplomática

Um mora em Barbalha, na região do Cariri. O outro mora em Fortaleza. Ambos embarcam para os Estados Unidos, no próximo dia 11 de janeiro, como representantes do Ceará em missão diplomática. Promovido pela Embaixada norte-americana no Brasil, o Programa Jo

da redação

Um mora em Barbalha, na região do Cariri. O outro mora em Fortaleza. Ambos embarcam para os Estados Unidos, no próximo dia 11 de janeiro, como representantes do Ceará em missão diplomática. Promovido pela Embaixada norte-americana no Brasil, o Programa Jovens Embaixadores há 10 anos proporciona a estudantes de escolas públicas brasileiras a oportunidade de imergir na cultura daquele país através do convívio direto com uma família nativa.

A experiência dura três semanas, sendo a primeira vivenciada em Washington, capital norte-americana, com direito a passeio por pontos históricos, incluindo visita à Casa Branca, sede do governo. A maior parte da experiência, por outro lado, é vivenciada junto à chamada "host family", termo utilizado para designar a família local que acolhe o intercambista. Após a semana de convivência em grupo, cada um dos 37 brasileiros é acolhido por uma família americana.

Conhecer além das fronteiras de Barbalha foi o que mais motivou o estudante paraibano de coração cearense a concorrer ao Programa Jovens Embaixadores. Jonatan Almeida, 16, vive na Região do Cariri desde os três anos de idade. De lá, só saiu poucas vezes para visitar os parentes que ficaram na Paraíba. Isso até ouvir falar pela primeira vez que um dia, não muito longe, poderia se tornar um embaixador brasileiro. "Minha família sempre me motivou cedo a estudar inglês e sempre tive consciência de que seria importante para o mercado de trabalho".

Sonho de infância

Sem nenhum familiar de Jonatan já ter viajado para outro país, ele começou aos nove anos a frequentar curso de inglês em Juazeiro do Norte, cidade vizinha, enfrentando cerca de 10 km uma vez por semana. "Desde meus 10 anos que meu sonho era ir aos Estados Unidos", revela. Outro sonho, segundo ele, é transformar o mundo. Munido dessa vontade, Jonatan realiza trabalhos voluntários com outros estudantes da Escola Estadual de Educação Profissional Otília Correia Saraiva, além de ser presidente do grêmio estudantil. Com o perfil adequado, ele se candidatou pela primeira vez em 2011, mas não obteve êxito à época.

Apesar da primeira decepção, desta vez foi finalista com mais três estudantes da rede estadual de ensino de Fortaleza, sendo o único do Interior. A seleção dos finalistas ficou por conta da Secretaria da Educação do Estado (Seduc). A decisão final, no entanto, foi da embaixada norte-americana. "Eu estava na escola, no laboratório de informática, esperando sair o resultado na internet. Quando saiu, passei ainda cinco minutos sem acreditar. Quando caiu a ficha, saí correndo", rememora.

A lição que fica para os que não conseguiram ou para aqueles que ainda vão tentar é nunca desistir. "A principal dica é não tratar os sonhos como sonhos. Eu tratei meus sonhos como objetivos", completa o jovem. Agora, embaixador.

Fonte: Brazilian Times