Publicado em 9/11/2012 as 12:00am

Rede de pizzaria que deve para brasileiros abre falência

A rede de pizzaria Upper Crust, que vem enfrentando um processo movido por ex-funcionários, a maioria brasileiros, abriu falência nesta semana. A empresa deve cerca de US$850 mil em salários atrasados e outros encargos. Os valores foram levantados depois

da redação

A rede de pizzaria Upper Crust, que vem enfrentando um processo movido por ex-funcionários, a maioria brasileiros, abriu falência nesta semana. A empresa deve cerca de US$850 mil em salários atrasados e outros encargos. Os valores foram levantados depois de uma intensa investigação que iniciou em abril de 2009 e terminou em janeiro de 2011.

Segundo as autoridades federais, os proprietários da Upper Crust violaram várias leis trabalhistas, não cumprindo o valor requerido do salário-mínio e não pagando as horas extras de 67 funcionários. Além de dever aos trabalhadores, a empresa tem uma dívida de milhares de dólares em penalidades civis.

Em agosto de 2011 o fundador da empresa, Jordão Tobins, foi notificado pelo Governo sobre o processo e os valores que deveria arcar. Os meses se passaram e os representantes da Upper tentaram um acordo, mas nesta semana uma notícia mudou todo o rumo do processo. Com o pedido de falência, a empresa com 176 funcionários, busca proteção na lei para não pagar a dívida.

A Upper Crust foi fundada em 2001, na cidade de Beacon Hill (Massachusetts), tem filiais em 16 localidades e no ano passado teve quatro de seus estabelecimentos fechados. Os advogados do proprietário, Tobins, e do seu sócio, Josh Huggard, não quiseram falar sobre o assunto.

No início, os trabalhadores brasileiros abraçaram os trabalhos, pois queriam ganhar dinheiro e enviar para seus familiares no Brasil e voltar com "um pé de meia para casa". Mas com o tempo o clima de amizade e dedicação à empresa foi mudando, pois os salários começaram a atrasar e as horas extras não eram pagas.

Foi então que os funcionários se uniram e apresentaram suas queixas no Ministério do Trabalho, que iniciou imediatamente as investigações e ordenou, em 2009, o pagamento de US$350 mil em horas extras.

Agora com o pedido de falência, os proprietários esperam ficar protegidos pela lei e não ser obrigados a pagar a dívida. A advogada Shannon Liss-Riordan, que defende um ex-funcionário, disse que continuará o processo para que os trabalhadores não sejam penalizados e recebam o que lhes é devido. "Esta empresa e seus diretores têm mostrado, constantemente, o desprezo pelas leis que protegem os trabalhadores", disse ressaltando que não ficou surpreso com o ocorrido.

Além de dever para os ex-funcionários, a Upper Crust tem uma dívida de aproximadamente US$3,5 milhões com credores, incluindo mais de US$500 mil com a ZVI Construction Co. sediada em Brookline. Ela também não pagou US$843 mil em impostos no ano passado.

Fonte: Brazilian Times