Publicado em 16/11/2012 as 12:00am

Secretária de Rondônia visita Massachusetts

O fato de Rondônia ainda não estar com o currículo escolar definitivamente implantado, diferentemente dos outros dezessete estado presentes ao encontro, tornou a participação no seminário ainda mais oportuna para a secretária Isabel Luz. Somente em 2013 s

O fato de Rondônia ainda não estar com o currículo escolar definitivamente implantado, diferentemente dos outros dezessete estado presentes ao encontro, tornou a participação no seminário ainda mais oportuna para a secretária Isabel Luz. Somente em 2013 será entregue o primeiro currículo e haverá a oportunidade de evitar cometer os erros que foram relatados pelos representantes de outros estados. "Nosso currículo ainda está em aberto, então vamos ter oportunidade de, durante o ano, ir promovendo os ajustes para chegar a um currículo que efetivamente atenda as necessidades rondonienses", observa a secretária.

Massachusetts é o estado mais desenvolvido na área de educação nos Estados Unidos. O secretário de educação anfitrião expôs na abertura do evento a experiência do governo estadual e tudo o que está sendo feito pelo melhoramento da educação. Isabel Luz observa que lá esse é um trabalho permanente, contínuo. Os trabalhos, presididos por um dos coordenadores da Harvard, prosseguiram com vários professores de graduação da universidade falando sobre formação de professores, acompanhamento de metas, sempre abordando temas pertinentes às ações para melhoramento da educação.

"Foi uma troca de experiências bem interessante", avalia a secretária, observando que uma coisa que lhe chamou a atenção é que enquanto no Brasil as atenções se concentram na exemplaridade das escolas que atingiram as metas, nos Estados Unidos o foco é lançado sobre as que não atingiram suas metas. "Lá eles têm uma atitude diferente da nossa, a secretaria vai à escola e dá um prazo para o diretor, se ele não atingir a meta dentro do prazo, a secretaria intervém na escola", explicou.

Em linhas gerais, Isabel Luz diz ter observado que tanto os americanos como os brasileiros querem a mesma coisa: que o aluno aprenda. A diferença, segundo ela, está na maneira de perseguir esse objetivo. "Lá nos Estados Unidos, a universidade, o sindicato e o governo trabalham juntos. Podem não estar juntinhos, mas buscam sempre uma parceria". No Brasil, segundo a secretária, enquanto o governo trabalha de um lado, a universidade atua de outro e o sindicato também de outro. "O sindicato se volta mais pro lado financeiro, a secretaria se volta mais pra qualidade do ensino e a universidade às vezes não fala nada com a gente, ela não se posiciona", afirma.

Nos Estados Unidos, os secretários de estado brasileiros foram não só a Massachusetts, mas também a Washington, onde visitaram os dois maiores sindicatos dos Estados Unidos e também o Ministério da Educação.

O deslocamento foi custeado pela Universidade Federal de Juiz de Fora, que cobriu as despesas de passagem e hospedagem. Isabel Luz informa que recebeu apenas uma ajuda de custo, que é direito de todo servidor, quando tem uma viagem custeada por outra entidade e que tem o valor de metade de uma diária. "Inclusive eu poderia levar dois técnicos comigo, também custeados pela universidade, mas como havia toda uma questão de obter visto, então não ficou viável, mas todos os outros secretários foram acompanhados do seu staff", observou.

Fonte: Brazilian Times