Publicado em 12/12/2012 as 12:00am

Secure Communities deporta imigrantes não criminosos em MA

Seis meses depois do "Secure Comunities" ser ativado em Massachusetts, uma investigação promovida pelo canal de televisão FOX descobriu que metade dos imigrantes deportados por causa do polêmico programa não foram condenados por crimes, mas apenas alvos d

Luciano Sodré Seis meses depois do "Secure Communities" ser ativado em Massachusetts, uma investigação promovida pelo canal de televisão FOX descobriu que metade dos imigrantes deportados por causa do polêmico programa não foram condenados por crimes, mas apenas alvos de problemas de imigração. Durante as investigações, foram descobertos vários casos de famílias que foram separadas sem que não houvesse nenhum crime. Ramiro Diaz foi preso em sua casa, em East Boston (Massachusetts), no verão passado. Ele foi detido pela polícia local por estar dirigindo sem carteira de motorista. Mas as suas impressões digitais foram coletadas e enviadas para as autoridades de imigração. Como Ramiro tinha sido deportado cinco vezes, assim que recebeu as digitais, os agentes da Imigração determinaram a sua prisão. Em sua defesa, com a ajuda de um tradutor, ele assumiu estar vivendo ilegalmente nos Estados Unidos, mas que o foco do "Secure Communities" deve ser imigrantes criminosos que ofereçam perigo à comunidade. "Não sou traficante de drogas, não sou assassino, não sou ladrão, nunca abusei de crianças, nunca bati em ninguém. Sou um trabalhador e quero apenas ter uma oportunidade de trabalhar", fala. Registros do Immigration and Customs Enforcement (ICE) mostram que é comum este tipo de caso e que muitos imigrantes deportados pelo programa não apresentavam perigos à sociedade. Dos 560 imigrantes mandado embora do país este ano, até o final de agosto, 281 foram deportados anteriormente, mas nao tiveram condenações penais e não se tratava de criminosos perigosos. A implantação do "Secure Comunities" em Massachusetts e em outros estados desencadeou uma série de protestos e manifestos por todos os Estados Unidos. Ativistas e simpatizantes à classe imigrante foram ás ruas para demonstrar que o programa poderia gerar uma onda anti-imigrante em todo o país e punir pessoas de bem que querem apenas trabalhar. "É justamente isso que está acontecendo", fala o pastor Walter Mourisso. Em uma entrevista ao jornal Brazilian Times, ele citou a polícia de Los Angeles (California), que decidiu dar um basta no programa. "O chefe da cidade informou que o seu departamento iria mais denunciá às autoridades federais, os imigrantes indocumentados detidos por pequenos delitos", disse. O pastor lembra que a decisão do chefe de polícia partiu depois do pronunciamento do Prefeito Lee Baca, que reverteu sua postura de participar no programa. Mourisso ressalta que o mesmo poderia acontecer em Massachustets. "Basta continuarmos com os nossos manifestos e mostrar para as autoridades que não estamos mortos", fala ressaltando que os ativistas se manifestaram apenas quando o programa foi implantado e depois caíram no esquecimento. Mourisso acredita que se as lideranças imigrantes se unirem e mantiverem constante contato com os políticos do estado, o programa pode chegar ao fim. "Mesmo que os nossos governantes não aceitem a ideia, podemos tentar um apoio por parte dos departamentos de polícia", ressalta. "Foi assim em Los Angeles e pode ser assim aqui também", conclui.

Fonte: Brazilian Times