Publicado em 15/12/2012 as 12:00am

Morosidade no consulado Americano prejudica brasileiros

Os atrasos para devolver o documento em casa começaram depois de uma disputa entre os Correios e a empresa particular DHL para saber quem tem direito de prestar esse serviço.

Os atrasos para devolver o documento em casa começaram depois de uma disputa entre os Correios e a empresa particular DHL para saber quem tem direito de prestar esse serviço. da redação Brasileiros que obtiveram o visto para viajar aos Estados Unidos têm enfrentado muitos transtornos na hora de receber o passaporte de volta. O horário marcado na senha já tinha passado, mas a empresária Selma Sena ainda se agarrava a ela como esperança de viajar. A filha mora nos Estados Unidos e está grávida. Precisa da ajuda dela. Mas o passaporte está retido desde novembro. "Preciso ir, porque é caso de saúde. Ela está grávida, está de risco, está na cama. A gente precisa cuidar e levar tudo na mão", conta ela. O consulado retém o passaporte de quem pede visto americano por alguns dias. Mas os atrasos para devolver o documento em casa começaram depois de uma disputa entre os Correios e a empresa particular DHL para saber quem tem direito de prestar esse serviço. Enquanto a disputa na Justiça não era julgada, o consulado em São Paulo passou um mês sem enviar os passaportes. Nesse período, as reclamações aumentaram. "Eu estou tentando entrar em contato com o consulado faz dois meses e meio e nada", diz o estudante Marcelo Messias. A DHL conseguiu na Justiça o direito de voltar a fazer a entrega os passaportes. Mas como são milhares de documentos que precisam ser devolvidos ao mesmo tempo, o consulado americano decidiu, também, devolver os passaportes diretamente a quem pediu o visto, em postos. Mas os problemas não terminaram. As pessoas que agendaram hora para buscar os passaportes e as que chegaram cedo para pegar uma senha vão ter que esperar mais um pouco. Uma outra fila está sendo organizada. Às 15h30, os responsáveis por um centro de atendimento estavam pegando os nomes de quem tinha viagem marcada para hoje para ver se conseguiam encontrar os passaportes. O professor Samir Mamud deveria ter viajado na sexta-feira passada. Ele ia trabalhar em Orlando, nos Estados Unidos. Sem o passaporte, teve que remarcar a passagem três vezes. Mas o empregador só esperaria até esta sexta. O documento dele não foi encontrado e, de novo, ele perdeu a viagem. "A gente constrói um sonho. Saí de dois empregos para poder viajar. Perdi tudo, estou sem nada agora", desabafou. Os Correios afirmaram que vão recorrer da decisão judicial para voltar a entregar os documentos. A DHL declarou que faz a distribuição assim que recebe os passaportes do consulado, e o consulado americano em São Paulo não comentou os atrasos, nem informou quantos documentos estão retidos. O Itamaraty convidou representantes da embaixada americana para darem explicações. (fonte:globo.com)

Fonte: Brazilian Times