Publicado em 7/01/2013 as 12:00am

Paulo Monauer ataca pessoas da mídia para justificar seu erro

\"O medíocre discute pessoas. O comum discute fatos. O sábio discute idéias.\" (provérbio chinês)

"O medíocre discute pessoas. O comum discute fatos. O sábio discute idéias." (provérbio chinês)

"Contra provas não há argumentos"

O Paulo Monauer atuando no jornal de nome Hello Brazil News, foi denunciando pela sua ex-sócia Monique Freitas de estelionato e uma série de acusações mais graves. A redação do jornal Brazilian Times achou por bem publicar apenas a acusação da brasileira contra o Paulo Monauer em relação aos problemas dela e a sociedade com o jornal, uma vez que foram apresentadas provas sobre isso.

Uma semana depois, se mostrando desesperado e despreparado, o Paulo usou as páginas do jornal para atacar as pessoas de forma baixa, chegando a mentir e afirmar que os donos do Brazilian Times, Jornal dos Sports e Negócio Fechado faziam parte de uma gangue. Ao invés de usar as páginas do tal "veículo" para exprimir sua defesa e mostrar que realmente não é culpado, Paulo se afundou ainda mais e como não tinha se defendido, e diante de provas não há argumento, a única saída foi atacar os proprietários, individualmente, bem como seus respectivos editores.

Em sua matéria, Paulo se coloca como o "todo poderoso chefão". É o que acontece com a - mídia de um homem só – o dono é levado pelo impulso do poder adquirido. É como o homem que segura uma arma na mão contra uma outra pessoa desarmada, e sai dando tiros a esmo. "Doa a quem doer, eu quero é rosetar" alguém já disse isto, e Paulo parece que gosta do ditado, pois para ele é muito fácil, pois é o dono do jornal e julga também que não precisa dar satisfação à comunidade. É um pequeno ditador! E um ditador magoado, magoa a sí próprio, o que será de seus rivais! Paulo busca sua vingança contra este e outros veículos de comunicação que não se calaram e não se calarão.

"Os membros da mídia precisam se comportar dentro da ética e também da moral, e também nos négóicos" e isto faz parte do regulamento da ABI-Inter que deve se posicionar a respeito!" Membros da mídia não podem ser caloteiros, nem oportunista"disse quando em palestra aqui em Boston, o atual presidente da ABI-Inter Zigomar Vuelma.

Posto que diante das possíveis irregularidades cometidas por Paulo Monauer e diante também dos mandos e desmandos que vinha e vem impondo à sua sócia, aproveitando-se do fato dele estar legal no país, e ela não, este veículo, em busca de justiça, de igualdade para todos, não pode ficar neutro nem calado. E também diante das provas horas apresentadas por Mônica como legítima sócia.

Mônica contou ao BT que ele, o Paulo Monauer, está aproveitando-se do fato dela ser mulher, quando tenta intimidá-la, pressioná-la, e discriminá-la em sua atuação de trabalho como massagista.

Como Paulo Monauer mentiu descaradamente, querendo aproveitar-se da boa vontade da comunidade e tentar ludibriar os menos esclarecidos, o Jornal Brazilian Times reuniu as provas que ele afirma não existirem. Entre elas a carta enviada pelo advogado Ludo Gardini dando início ao processo de estelionato, pois deve dinheiro para sua ex-sócia e se nega pagar.n Além de chantagista é discriminador e aproveitador de mulheres disse Mônica.

Nossa reportagem tem de posse (cópia) um documento referente a um mês de balancete onde mostra o movimento financeiro e a participação de Monique. Onde provar que maior parte das contas eram pagas por ela, sem utilizar o dinheiro do jornal. Outra prova é o contrato de sociedade feito entre Paulo e Monique, o qual alguns anos depois ele cancela sem o conhecimento dela.

Paulo abre uma nova firma e altera o nome do jornal para Hello Brasil News (utilizando a letra S). Essa é mais uma prova que ele não conseguiu explicar. Se realmente ele conseguiu firmar o Hello Brazil News (com Z), porque não aceitou desfazer a sociedade, pagar o que devia para Monique e continuar. Ao contrário, ele abriu uma nova empresa, pois sabe que isso o livraria de qualquer cobrança. "Por que ele também não alterou o endereço do site, que continua com a letra Z?", indaga Mônica.

Paulo alegou ainda que estava encaminhando documentos para as autoridades competentes para retirar o vídeo publicado por Mônica relatando todo o sofrimento que passou nas mãos dele. Mais uma mentira, pois o vídeo continua no ar e com mais acessos do que antes. Para ver é só entrar no YouTube e digitar a expressão "Paulo Monauer".

Paulo se referiu a um artigo publicado na página quatro do Brazilian Times, que é também a página de expediente do BT, salientando que quem o escreveu não teve a coragem para assiná-lo. Mais uma prova de que ele desconhece o jornalismo e está despreparado para tal. Em cima da nota estava escrito Nota da Edição ou Nota Editorial e isso significa que pertence ao editor a não ser que ele não entenda o que é "Nota Editorial". Editor que assina o seu editorial quer mais é aparecer. O nome do editor já está no expediente. O editorial é o pensamento do jornal, de responsabilidade do editor que é também o responsável legal por todos os artigos não assinados.

Paulo está tão desprovido de defesa que abriu espaço para Gilson Ramos, acusado de desviar um dinheiro que seria usado para ajudar na campanha do menino Filipe Wolf. Tudo pelo simples fato de que ele quer algum motivo para atacar os jornais que não se calaram diante de suas possíveis falcatruas. Ele chegou a ponto de chamar, nas entrelinhas, um policial de corrupto, pois afirmou que o mesmo estaria encobrindo e protegendo supostas armações de Monique.

@

RESPOSTA DE MONIQUE AOS ATAQUES DE PAULO

Em seu jornal Paulo disse:

"Este foi um vídeo difamatório e de caráter invejoso, por parte de uma ex-sócia, de uma sociedade que já se desfez há mais de oito meses. Neste caso o fim do Hello Brazil News com \'Z\'. O fim da sociedade foi feito dentro da lei, com acompanhamento de um contador e de um advogado sem lisuras, sem ato ilícito, sem crime, com a maior sobriedade possível dentro do contesto de um fim de uma sociedade em litígio, sem extrapolar nenhum prazo ou sem burlar uma vírgula da ética profissional, e o Hello pode provar isso, com papeis, com documentos, com gravações legais e com validade em Massachusetts de programas de rádios, com testemunhas. Temos todas as provas que for necessárias para o Hello e seu editor se defenderem de tais insultos e difamação gratuita. Na verdade este tipo de conflito não se resolve em páginas de jornais, e sim na justiça, se tem alguém na sociedade que se sentiu injustiçada deve procurar a justiça, este é o caminho legal e o juiz é o mediador correto para isso, mais ninguém".

Em sua defesa, Monique respondeu:

"Se a sociedade foi desfeita dentro da lei, com acompanhamento de um contador e de um advogado sem lisuras, sem ato ilícito, sem crime, com a maior sobriedade possível dentro do contesto de um fim de uma sociedade em litígio. Sem extrapolar nenhum prazo ou sem burlar uma vírgula da ética profissional, como Paulo Monauer explica como eu, Monique Freitas, a parte mais interessada, ou seja, a outra sócia, não estava presente e nem fiquei sabendo do acontecido? E qual é o nome do advogado e do contador que fez esta trama para ele? Se ele puder provar isso, e só publicar os papéis com minha assinatura desfazendo a sociedade. Quanto às gravações, ponha também no facebook e no youtube como eu fiz. Acrescenta com aquela que já está lá, onde o Pastor Emídio também se mostra revoltado com ele".

Fonte: Brazilian Times