Publicado em 9/01/2013 as 12:00am

Brasileiro admite ter matado animal de estimação

Douglas será entregue para a Imigração pois está vivendo ilegalmente nos EUA

Douglas será entregue para a Imigração pois está vivendo ilegalmente nos EUA

Uma nota da Promotora de Justiça, Melissa Baima, da cidade de Framingham, em Massachusetts, descreveu como "muito preocupante" o caso envolvendo um brasileiro que admitiu ter matado o seu cachorro. Mas antes de matá-lo, ele teria agredido o animal e, à noite, amarrava as pernas do animal para que ele não pulasse da cama.

Douglas Coelho, 27 anos, afirmou que não tinha intenção de matar o animal, que atendia pelo nome de Ruffy, mas admitiu que o jogou na parede de seu apartamento. Na sexta-feira, um "roomate" do brasileiro disse para a polícia que estava preocupado, "pois o tinha visto jogar o cãozinho contra uma parede e depois não viu mais o animalzinho.

Após uma investigação, a polícia encontrou o corpo do cãozinho em um saco, na lixeira do prédio. Segundo a promotora, o animal foi levado para um veterinário para ser analisado e posteriormente definida a causa da morte. "Os médicos encontraram água no pulmão do cachorro", afirmou Melissa.

Depois de encontrar o animal, a polícia descobriu que o brasileiro estava arrumando as malas para viajar, mas um grupo de investigadores foi até o apartamento, mas ele não estava lá. Os policiais informaram que ouviram Douglas falar ao telefone, em um apartamento ao lado. "Eles escutaram quando o acusado admitiu ter matado o animal e que estava irritado, pois seu companheiro de quarto estava praticando ato sexual com o animal", afirmou a promotora.

Ao ser interrogada pela polícia, Douglas admitiu que havia machucado o seu cãozinho entre o Natal e o Ano Novo. "O acusado disse que o cachorro tinha urinado em sua cama enquanto ele (Douglas) dormia. Então ficou com raiva e bateu no animal. Depois o jogou na direção de uma parede", informou Melissa.

O brasileiro disse que voltou a dormir, mas foi acordado pelos choramingos de Ruffy,que estava deitado em uma poça de sangue com um calombo enorme na cabeça e sangrando pela boca. Douglas disse que lavou o animal na água quente e tentou ajudá-lo.

Depois, segundo as informações policiais, o brasileiro afirmou que o cão começou agir de modo diferente e que o amarrava na cama, de noite, para el não pular. "As pernas dele estavam feridas e inchadas e o cachorro latia quando encostava nelas", disse a promotora acrescentando que Douglas tentou dar, a força, um analgésico, mas o cachorro vomitou.

Quando o brasileiro acordou, na manhã seguinte, o cachorro estava morto. Coelho admitiu que colocou Ruffy em um saco, o jogou no lixo e saiu para procurar um emprego. Ele negou que tenha matado o animal de forma intencional e acusou o seu colega de quarto de ter abusado do animal várias vezes, o afogando.

Segundo a promotora, o colega de quarto afirmou que tinha oferecido comprar o animal por US$50 e Douglas teria dito que preferia matar o cachorro a vendê-lo para ele. O brasileiro responderá por crime de crueldade contra animais.

A promotoria pediu ao juiz para estipular a fiança em US$25 mil, pois trata-se de acusações graves e existe um mandato emitido pelo Departamento de Imigração contra Douglas, alegando que ele está vivendo ilegalmente nos Estados Unidos.

A advogada de defesa, Sheila Dwyer, solicitou que a fiança fosse reduzida, "pois não havia nenhuma prova de que o seu cliente iria fugir e que poderia aguardar o julgamento na casa de uma tia, que mora na cidade. O Juiz determinou que o valor em US$20 mil e proibiu o brasileiro de manter qualquer contato com animais domésticos.

Fonte: Brazilian Times