Publicado em 9/01/2013 as 12:00am

Petição tenta impedir deportação de homossexual brasileiro

Há cerca de quatro meses, o brasileiro Wasington Coelho Ribeiro, 27 anos, um homossexual assumido, está preso no centro de detenção Krome. Ele é portador do vírus HIV e com o passar dos dias, a sua saúde foi se agravando. Nem mesmo diante dos manifestos e

Há cerca de quatro meses, o brasileiro Wasington Coelho Ribeiro, 27 anos, um homossexual assumido, está preso no centro de detenção Krome. Ele é portador do vírus HIV e com o passar dos dias, a sua saúde foi se agravando. Nem mesmo diante dos manifestos e votos de apoio, a justiça o liberou.

Coelho chegou aos Estados Unidos quando tinha apenas 12 anos de idade, e estava fugindo dos abusos sexuais cometido por um tio, que o molestou por dois anos. Como acontece com muitos jovens que assume sua homossexualidade, a família do brasileiro o abandonou.

Agora ele vive em um centro de detenção, sem os cuidados adequados para a sua saúde e a situação está piorando. De acordo com informações apresentadas em uma petição encaminhada ao diretor do departamento de Imigração, John Morton, surgiram feridas nos pés e manchas brancas por todo o corpo do brasileiro.

A petição pede para que John Morton faça a coisa certa e libere o brasileiro imediatamente. Foi criado um site para as pessoas que quiserem ajudar neste manifesto e basta apenas assinar o documento que será encaminhado para as autoridades. Além de fazer o cadastro, as pessoas devem ligar para os números apresentados e pedir pela liberação de Coelho.

O brasileiro está em processo de deportação, o que pode acontecer na quinta-feira (10), e o grupo de apoio espera conseguir o máximo de participação possível. Um dos argumentos é que o brasileiro se encaixa na Ordem executiva do presidente Obama que permite a "legalização" dos jovens que chegaram aos EUA antes dos 15 anos de idade e ainda não completaram 31.

Para participar entre no site www.action.dreamactivist.org/florida/wasington 

www.action.dreamactivist.org/florida/wasington 

Fonte: Brazilian Times