Publicado em 11/01/2013 as 12:00am

Brasileira será deportada pela morte de chilena em Canton (MA)

A filha da mulher que morreu vítima após ser atingida por um carro dirigindo por uma brasileira que estava embriagada disse que sua família ficou desapontada com a pena aplicada. Perla Vidal, 32 anos, que mora em Southtong (Massachusetts), afirmou que Aur

A filha da mulher que morreu vítima após ser atingida por um carro dirigindo por uma brasileira que estava embriagada disse que sua família ficou desapontada com a pena aplicada. Perla Vidal, 32 anos, que mora em Southtong (Massachusetts), afirmou que Auricelli Braga deveria receber um ano de prisão por cada ano tirado de sua mãe.

A brasileira foi condenada na quarta-feira (09) a dois anos e meio de prisão pela morte de Sarah Escudeiro (foto), 64 anos, que aconteceu na Rota 130, na cidade de Canton, no dia 24 de junho do ano passado. No momento do acidente, Auricelli não tinha carteira de motorista e admitiu, no Tribunal, que estava embriagada.

Ela vive ilegalmente nos Estados Unidos há dez anos e será deportada depois que cumprir a pena. O porta-voz do departamento de Imigração, Ross Feinstein, disse que a brasileira deveria deixar o país em 2002, quando seu visto expirou. "Após cumprir a sentença, a ré será entregue para O Immigration and Customs Enforcement (ICE) e colocada em processo de deportação", acrescentou.

Segundo as informações colhidas pelos investigadores, Auricelli estava retornando para sua casa após uma noite de festa na boate Splash, em Boston, e uma visita a um amigo em Framingham, quando seu carro, um Nissan Sentra, atravessou um cruzamento e bateu com violência no carro da vítima.

Escudeiro, que era casada, mãe e avó, estava a caminho do trabalho para começar o seu turno de enfermagem. Ela trabalhava no Centro Hebraico de Reabilitação, em Roslindale. A polícia disse que o nível de álcool encontrado no sangue da brasileira era de 0,12 por cento, 50% acima do limite permitido.

Vidal, mesmo desapontada com a pena, disse que ficou satisfeita porque a brasileira assumiu a responsabilidade pelos seus atos. "Ela sempre se mostrou arrependida pelo que fez e isso nos ajudará em nossa cura pessoal", disse.

Emocionada, a filha disse que a brasileira poderá ter a sua vida normal de volta muito em breve e poderá usar esta experiência para discutir com outras pessoas e orientar sobre os perigos de dirigir embriagado. 

Fonte: Brazilian Times