Publicado em 22/02/2013 as 12:00am

Entidades em MA pedem redução de taxas para incentivar a cidadania

Entre os imigrantes que esperaram por anos para se naturalizarem está a brasileira Zilda Castro

Entre os imigrantes que esperaram por anos para se naturalizarem está a brasileira Zilda Castro

da redação

O sonho norte-americano nem chega quando o imigrante levanta a mão e jura oficialmente ser um Cidadão dos Estados Unidos. Segundo um informe divulgado por algumas organizações que defendem os interesses desta classe, a maior parte prefere ficar apenas com o Green Card por longos anos em virtude das altas taxas cobradas.

Diante disso grupos como o Centro Latino em Chelsea (Massachusetts), estão realizando manifestos para pedir ao governo uma redução no valor das taxas cobradas para que um imigrante torne-se Cidadão. Desta maneira, acredita-se que haja um estímulo e que mais pessoas possam se sentir motivadas a "Jurar a Bandeira".

Estimativas divulgadas pela diretora-executiva da Massachusetts Immigrant and Refugee Advocacy Coalition (MIRA), Eva Millona, mostram que existem cerca de 8,5 milhões de imigrantes que possuem o "Green Card" e estão aptos a aplicarem para a cidadania. "Mas o alto valor das taxas tem feito com que estas pessoas esperem por anos até decidirem tornarem-se cidadãos", explica.

Segundo ela, em 1995 o valor era de US$97, em 1998 passou para US$225 e agora subiu para US$680, incluindo os testes de biometria. "Nós acreditamos que a cidadania e naturalização são fundamentais para a integração dos imigrantes e estamos pedindo que o Governo olhe para este fator", disse.

Um estudo divulgado recentemente, na cidade de Chelsea, feito entre os anos de 2009 e 2011, diz que os imigrantes com Green Card tem taxas assustadoras para se torarem cidadãos. Nesta cidade existem 15.474 mil imigrantes com residência legal, dos quais apenas 4.006 se naturalizaram. Outro ponto destacado é que 51% destes números esperaram por 10 anos para fazer o juramento.

Entre estes imigrantes está a brasileira Zilda Castro, que tem um salão na cidade de Cambridge (MA) por muitos anos. Ela permaneceu com o Green Card por anos e somente em 2011 decidiu tornar-se cidadão deste país.

Segundo Paulo Pinto, diretor-executivo da MAPS, a brasileira é uma dessas pessoas que tiveram que ser convencidas a se naturalizar e que valia a pena pagar a taxa considerada cara. "Quando ela viu todos os benefícios, concordou", disse ele.

A brasileira afirmou que depois de muitos anos, mesmo estando legal no país, somente agora "sente-se como se estivesse em sua casa".

Fonte: Brazilian Times