Publicado em 10/04/2013 as 12:00am

Centenas de pessoas participam de evento na State House

Na segunda-feira (08), um grupo de cerca de 700 pessoas lotaram as dependências da "State House", em Boston (Massachusetts), pela comemoração pelo 17º Dia do Imigrante. Imigrantes de várias nacionalidades participaram deste evento, inclusive brasileiros.

da redação
Na segunda-feira (08), um grupo de cerca de 700 pessoas lotaram as dependências da "State House", em Boston (Massachusetts), pela comemoração pelo 17º Dia do Imigrante. Imigrantes de várias nacionalidades participaram deste evento, inclusive brasileiros. Entre um dos destaques, estava o jornalista José Antônio Vargas, que há alguns meses se anunciou como imigrante indocumentado, mesmo sendo respeitado no cenário político norte-americano.
A ativista Ilma paixão era uma das representantes da comunidade brasileira e disse que se sentiu muito entusiasmada ao ver tantas pessoas falando a mesma língua e defendendo os mesmos interesses. O evento marcou um pontapé para as marchas que acontecerão em todo o país em busca de sensibilizar os legisladores para apresentar um projeto de Reforma Imigratória o mais rápido possível.
Vargas disse, em seu discurso, que a realidade do imigrante é desconhecida pela sociedade norte-americana e cabe aos ativistas e lideranças comunitárias apresentar o que realmente acontece.
Além dos imigrantes, cidadãos norte-americanos também participaram do evento e deram o voto de apoio à esta comunidade. É o caso de Pat Baker, de Glaucester, que é apaixonada por questões que envolvem a política de imigração dos Estados Unidos.  "Os imigrantes precisam compartilhar suas histórias para os legisladores entenderem porque a reforma da lei de imigração é importante", disse ela.
Os participantes tiveram acesso à palestras sobre como dirigir em segurança, aprenderam sobre igualdade, Cidadania, integração, legislação pró-imigrante, os direitos dos trabalhadores, saúde, serviços públicos, entre outros assuntos. Todos direcionados à comunidade imigrante.

Fonte: Brazilian Times