Publicado em 15/05/2013 as 12:00am

ENQUETE DA SEMANA

Brasileiros falam sobre a reforma Imigratória

Luciano Sodré

Em Janeiro, após a posse de Barack Obama em seu segundo mandato, o clima em torno de uma reforma nas leis de imigração foi aquecido e o presidente afirmou que este ano iria conseguir passar um projeto que abra caminho para a legalização dos milhões de imigrantes que vivem ilegalmente nos Estados Unidos.

Tudo parecia que caminharia tranquilo pois Republicanos e Democratas estavam se unindo em prol de fortalecer a ideia e resolver definitivamente as questões imigratórias do país. Isso animou a comunidade imigrante e trouxe uma onda de esperança que tomou conta de todos. Mas com o passar do tempo, o assunto foi sendo esquecido pela mídia, e caminha a passos lentos.

O projeto elaborado pela "Gangue dos 8", formada por oito senadores, demorou quatro meses para ficar pronto e agora está no Comitê Judiciário dos EUA opara apreciação, alterações, cortes e inclusão de emendas. A divergência entre alguns senadores está entravando o andamento do projeto. Mas e o ânimo da comunidade imigrante? Será que continua do mesmo jeito? A equipe de reportagem do Brazilian Times conversou com alguns brasileiros para saber a opinião de cada um.

 

Pastor Walter Mourisso, ex-membro do CRBE, reside em Weymouth (Massachusetts) e acredita que a lentidão para que o projeto seja colocado para votação tanto no Senado quanto na Câmara dos Deputados se deve em razão da burocracia e trâmites que devem ser seguidos antes disso. "Qualquer reforma em algum setor é lenta e as diferenças de ideias pode dificultar a sua aprovação, mas é certo que a Reforma Imigratória vai sair do papel desta vez". Ele acredita que não será um caminho fácil e cabe aos ativistas e líderes comunitários se unirem e mostrar que a aprovação do projeto será um benefício muito grande para os Estados Unidos. "Precisamos convencer àqueles que ainda são contras a presença dos imigrantes neste país e mostrar que fazemos parte de sua cultura e do desenvolvimento econômico".

Mourisso acredita que, após passar pelo Comitê Judiciário, ainda este ano o projeto será apresentado ao Senado e não terá dificuldades para ser aprovado. O grande problema, segundo ele, é passar pela Câmara Federal, onde a maioria é republicana. "Mesmo assim ela será aprovada, mas depende dos nossos ativistas estarem atentos e lutar por isso", conclui.

 

Zanone Zander, mais conhecido como Mister Zi é um cantor de rap, natural de Governador Valaares (Minas Gerais), que vive em Boston (Massachusetts). Ele está nos Estados Unidos há 15 anos e acredita que a reforma imigratória vai acontecer, "pois há muito dinheiro envolvido e recentes estudos mostraram que os cofres públicos dos EUA receberão bilhões de dólares com a legalização dos imigrantes". Para ele, o atentado que aconteceu na Maratona de Boston deu mais forças para os políticos e ativistas anti-imigrantes e isso apenas vai dificultar o andamento do projeto, "mas não impedirá a sua aprovação".

Mister Zi afirma que enquanto o projeto está nas mãos dos políticos, os imigrantes devem limpar o nome, respeitar as leis e pagar seus impostos, "além de aprender inglês". Entre os cuidados que ele aponta primordial é dirigir com segurança e evitar problemas com vizinhos para não haver envolvimento com a polícia. "Manter um bom histórico será o primeiro passo para ser aceito em um processo de legalização", continua.

Mesmo com o marasmo do projeto e as discussões que surgiram que podem atrasar um pouco a Reforma, Mister Zi garante que a comunidade imigrante está bastante animada e alguns já estão bem adiantando quando o assunto é reunir documentos e se preparar para a legalização. "Todos sonham com esse dia e com certeza dias melhores virão", conclui.

 

Dario Galvão, empresário que mora em Stoughton (Massachusetts). É natural de Recife (Pernambuco) e está nos Estados Unidos há  13 anos. Ele disse que está bastante otimista com todo o processo no Senado e que esta demora é para formar um projeto perfeito que beneficie a todos que mereçam e não deixa espaço para imigrantes criminosos se beneficiarem. "Depois que passar pelos senadores dificilmente será barrado pelos deputados", afirma.

O empresário acredita que o assunto não está esfriando, mas que de agora para frente os políticos envolvidos terão mais cautelas e manterão algumas informações em sigilo para não atrapalhar o andamento do projeto. "O que os imigrantes devem fazer agora é manter o otimismo e jamais perder a fé", acrescenta ressaltando que "está chegando o momento em que todos poderão ter uma vida melhor nos EUA, sem medo e sem problemas".

 

Fabiano Oliveira (DJ Binho), é natural de São Paulo e mora há oito anos nos Estados Unidos. Ele trabalha como DJ em eventos e nas noites brasileiras e atualmente reside em Weymouth (Massachusetts).

Ele também acredita que o atentado em Boston está sendo um entrave para que o projeto caminhe mais rápido. "Mas não devemos perder as esperanças e manter uma vida digna, sem cometer erros que possam nos prejudicar no futuro", disse.

Por trabalhar nas noites, o DJ presencia várias cenas irresponsáveis praticadas por brasileiros que bebem e, sem carteira, saem dirigindo pelas ruas. "Estas pessoas estão sujeitas a serem presas e ter em seu histórico um agravante que o impeça de conseguir a legalização", explica acrescentando que agora é hora de "não chamar a atenção".

Binho ressalta que alguns de seus amigos se mostraram frustrados com esta demora e em virtude disse acabam ficando descrente de algo vá realmente acontecer. "Eu acredito que algumas mudanças acontecerão ainda este ano, mas quanto a aprovação da reforma como um todo é muito cedo para falar", continua. "Haverá sim uma reforma, mas não este ano", conclui.

 

Leandro Alves (Leandrinho), natural de Governador Valadares (Minas Gerais), reside nos Estados Unidos  há oito anos. Ele trabalha como locutor e apresentador de rádio na cidade de Framingham (Massachusetts). O radialista se mostrou esperançoso de que a reforma sairá do papel este ano. "Muitas pessoas falam que todos os anos é a mesma coisa, mas eu asseguro que desta vez está tudo caminhando para um rumo diferente", fala acrescentando que muitos republicanos e democratas estão trabalhando juntos em prol de promover a reforma.

Ele ressalta, ainda, que nas últimas eleições todos puderam presenciar a força do voto latino e a influência que a comunidade imigrante tem nos destinos políticos do país. "Isso fez com que alguns legisladores mais conservadores ficassem mais flexíveis e se juntassem aos demais que apóiam a reforma", explica.

Leandrinho discorda de que o assunto esteja esfriando e afirma que o projeto está em uma etapa de discussão e revisão. "Por isso, até que tudo fique pronto, pouca coisa será divulgada pelos senadores", continua.

Para ele, os imigrantes devem ler jornais, ouvir rádios e procurar em todos os veículos de comunicação informações atualizadas sobre o andamento do processo. "Temos que ficar atentos, pois estão surgindo muitos aproveitadores querendo pegar nosso dinheiro, sem mesmo a reforma ser saído do Comitê", explica.

Outro ponto que ele considera importante é que a maioria das pessoas continuam esperançosas e ansiosas pelo desfecho de mais esta história na vida dos imigrantes que vivem nos Estados Unidos. "Muitos estão fazendo planos de viagens para o Brasil, outros já sonham com a carteira de motorista e poder dirigir sem medo", conclui.

Fonte: Brazilian Times