Publicado em 26/07/2013 as 12:00am

Brasileiro é preso na Florida por trabalhar ilegalmente como dentista

Brasileiro é preso na Florida por trabalhar ilegalmente como dentista

da redação

O dentista brasileiro Ubaldo Bittencourt, 62 anos, foi preso em Boca Raton, na Flórida, no dia 16, depois que ele foi acusado de operar um consultório dentária sem licença. Segundo as informações divulgadas pelo porta-voz do condado de Palm Beach, ele atendia os seus clientes em um quarto em sua casa.

Depois de preso, o brasileiro pagou uma fiança de US$3 mil (pouco mais de R$ 7 mil) e foi liberado para responder o processo em liberdade. Não foi informado se Ubaldo contratou um advogado.

De acordo com relatos, a maior parte da clientela de Ubaldo era formada por brasileiros e “ele era um homem muito cauteloso”. Os investigadores afirmaram que o dentista não atendia clientes sem indicações confiáveis. “Ele procurava conhecer o paciente antes de aceitar fazer o tratamento”, dizia a nota.

Algumas testemunhas relataram que os pacientes tinham que deixar uma mensagem de voz no telefone, para depois o dentista entrar em contato. Mas ele respondia apenas as mensagens em português.

O consultório de Ubaldo era em uma área da casa reservada para a lavanderia e consistia de uma cadeira para exames, ferramentas e moldes dentários, uma máquina de raios X e várias outras peças de equipamentos odontológicos. “Esses itens eram armazenados e utilizados por Bittencourt com nenhum protocolo de segurança de radiação conhecido e nenhum equipamentos passava pela esterilização adequada”, dizia o relatório da polícia.

Os investigadores acreditam que os clientes de Ubaldo eram brasileiros que vivem ilegalmente nos Estados Unidos ou que não possuem algum seguro odontológico. “Eu acho que a maioria, mas não todos eles, estaria em situação irregular, mas não tenho todos os dados”, disse um porta-voz do advogado de imigração. “Há um nível de conforto enorme, se você é brasileiro, estar em um ambiente brasileiro”, continua.

Muitos imigrantes indocumentados sentem medo de ir a um dentista licenciado porque eles têm receio do escritório pedirem a identificação. “Eles acham que a polícia vai entrar e prendê-los”, disse outro porta-voz da imigração, “Eles vivem com medo porque eles são ilegais”, acrescentou.

Até agora, não foi registrado nenhum caso de pacientes que tiveram problemas causados pelo tratamento de Bittencourt. Os investigadores acreditam que ele possa ter licença para trabalhar no Brasil, mas não nos EUA.

Os registros e anotações feitas por Ubaldo mostraram que ele tinha cerca de 6 mil pacientes, o que chocou o presidente da Associação Dental da Flórida. Isso porque o presidente da FDA teria dito que dentistas devem ter em média cerca de 2.000 pacientes ativos e 1.000 pacientes inativos.

No final de Junho, um policial disfarçado, que fala português, ligou para o escritório do brasileiro em busca de tratamento. Ele deixou uma mensagem e Ubaldo retornou a ligação para acertar os detalhes.

O detetive à paisana foi até a casa onde funcionava o consultório, no dia 25 de junho, usando um dispositivo de gravação. Segundo as informações, o brasileiro recebeu o “paciente” e realizou exames sem usar luvas. No final, o dentista disse que ele precisava de uma ponte dentária no valor de US$2,500 (pouco mais de R$ 5 mil) e este valor poderia ser pago em dinheiro de uma só vez ou parcelado. Em seguida, Ubaldo recebeu voz de prisão.

Fonte: Brazilian Times

Top News