Publicado em 12/08/2013 as 12:00am

Governo revoga cidadania de brasileira suspeita de matar marido nos EUA

Governo revoga cidadania de brasileira suspeita de matar marido nos EUA

Cláudia Hoerig é acusada de matar a tiros Karl Hoerig no interior da residência do casal em Newton Falls, Ohio

 

da redação

A carioca Cláudia Hoerig, que fugiu para o Brasil para evitar julgamento pelo assassinato a tiros de seu marido, o major da reserva da Força Aérea Karl Hoerig, no interior da residência do casal em Newton Falls, em 2007, poderá retornar ao Condado de Trumbull, Ohio, para enfrentar a lei. O deputado federal Timothy Ryan (D-13th) anunciou na quarta-feira (7) que o governo brasileiro cancelou a cidadania da suspeita.

Ryan descreveu a decisão do Governo brasileiro como “o primeiro passo no processo de extradição de Cláudia aos Estados Unidos” para ser julgada pela acusação de ter matado seu marido. Ele acrescentou que o Brasil é responsável por encontra-la, negar qualquer apelação que, por ventura, ela apresente e a entregue às autoridades norte-americanas.

O deputado disse estar confiante que Cláudia retornará aos Estados Unidos, especificamente ao Condado de Trumbull, em questões de “semanas e não meses, pois é de interesse do Brasil resolver isso”.

O promotor público do Condado de Trumbull, Dennis Watkins, que criticou a política brasileira de não deportar seus próprios cidadãos, disse que a decisão de revogar a cidadania é um “sinal positivo que o Brasil está agindo em nosso favor”.

“Eu aplaudo o Governo do Brasil por agir sobre o assunto. Este é um passo bastante importante para ter Cláudia de volta a Ohio e ser julgada”, disse ele.  

Watkins acrescentou não saber os detalhes de como trazê-la de volta aos Estados Unidos. Entretanto, ele frisou que, quando Hoerig renunciou a sua cidadania brasileira para se tornar uma cidadã norte-americana naturalizada, segundo as próprias leis do Brasil, ela perdeu a imunidade contra a extradição. Até o momento, ele não sabe que armas legais Cláudia possui para evitar ser enviada de volta aos EUA.

Watkins disse esperar que o Brasil resolvesse isso em um futuro breve para que a justiça seja cumprida e a família de Hoerig vire essa página em suas vidas.

A decisão brasileira ocorreu pouco depois que a tentativa de Ryan em extraditar Cláudia atraiu atenção internacional. Ele havia apresentado um projeto de lei que suspendia o uso de verba federal para processar os vistos de residência permanente (green card) de qualquer imigrante brasileiro. A proposta foi cancelada.

“Estou bastante encorajado ao ver tanto progresso com relação ao caso e continuarei a monitorar a cooperação do Governo brasileiro até que a justiça seja feita”, disse Ryan.

O corpo de Karl Hoerig, assassinado em 12 de março de 2007, foi encontrado no interior de sua residência em Newton Falls 3 dias depois.

“Há mais de 6 anos, Cláudia tem vivido como uma cidadã livre no Brasil, apesar de ser acusada de ter matado seu marido; a sangue frio”, disse Ryan.

“Com a ajuda da família de Hoerig, um grupo dedicado de apoiadores e a Promotoria do Condado de Trumbull, na pessoa de Dennis Watkins e seu time, tenho trabalhado duro para trazer Cláudia Hoerig de volta aos Estados Unidos para enfrentar julgamento por homicídio”, acrescentou.

“Apesar de manter-me esperançoso que nos aproximamos de um final para a família de Karl Hoerig, temos que estar atentos que, qualquer que seja o destino de Cláudia, nossa comunidade e a família Hoerig perdeu um herói e cidadão exemplar”, disse o deputado.

Karl Hoerig voou em quase 200 missões de combate no Iraque e Afeganistão.

“Agora, é nossa responsabilidade honrar sua memória e serviço ao nosso país lutando por justiça em seu nome e os membros de sua família”, concluiu Ryan.

Fonte: Brazilian Times