Publicado em 30/08/2013 as 12:00am

Destaque no Jiu-Jitsu fala das conquistas e projetos

Destaque no Jiu-Jitsu fala das conquistas e projetos

Stael de Melo

 

Robson de Lima , carioca, faixa preta de Jiu-Jitsu e  conhecido também como Mau-mau. Desde os 13 anos de idade vem se destacando não só no Brasil, como em outros países.

No final de maio desse ano, esteve competindo com mais de quatro mil atletas, no New York International, NY, levando o título de campeão Internacional.

Logo em seguida competiu no NAGA (North American Grappling Association), ganhando novamente na categoria  faixa-preta, no peso absoluto.

Mau-mau explica como é esse lance de lutar no absoluto?

No absoluto não é necessário ter peso determinado, é a experiência que vale. No caso dessa luta no NAGA, ele lutou com vários faixas-preta e venceu, conquistando um cinturão, uma medalha e uma espada.

 

Brazilian Times - Você competiu no Boston Open foi um sonho realizado?

Robson de Lima - Com certeza foi uma emoção que não tem como explicar. Para quem não sabe, foi um campeonato da IBJJF, onde vários estados participam. Para mim foi uma honra poder representar minhas academias que são a BMAC e a JFT e trazer o título para casa.

 

BT - Atualmente você conta com um treinador exclusivo, não é isso?

RL - Sim, além de todo tipo de suporte que o Marcelo Siqueira (BMAC) vem me proporcionando,, tenho o meu treinador que e o Alex Marshall.

 

BT - Apesar da agenda lotada, você ainda encontra tempo para dar aulas de Jiu-jitsu, é isso mesmo?

RL - Na verdade, as aulas são um complemento dentro daquilo que adoro fazer. E fazer isso num lugar onde você está sempre conquistando novas amizades, carinho, respeito e vendo o resultado do seu trabalho na vida dos alunos, é algo fantástico.

 

BT - Quando será sua próxima luta?

RL - Será na California, no dia 5 de outubro. Sempre sonhei em vencer o mundial pela IBJJF porque ela é reconhecida no mundo todo, apesar de ter vencido o mundial pela CBJJO (Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu Olímpico). Aproveitando a oportunidade, se alguém estiver interessado estou aberto para patrocinadores.

 

BT - Como você vê o papel do governo brasileiro em relação ao esporte nacional?

RL - Infelizmente não existe, se nós atletas fôssemos depender de ajuda do governo, o esporte no Brasil já não existiria mais.

 

BT - Qual a mensagem que gostaria de deixar para todos os atletas de uma forma geral?

RL - O Jiu-Jitsu depois do futebol é o esporte que mais divulga o Brasil no mundo. Eu diria que nós estamos sozinhos nessa batalha e que se ficarmos esperando alguma atitude do governo brasileiro, não iremos a lugar algum. Então levante, corra a trás dos seus sonhos e persevere. Perseverança e determinação!

Fonte: Brazilian Times