Publicado em 30/08/2013 as 12:00am

PORNOGRAFIA INFANTIL ? Brasileiro pode pegar 20 anos de cadeia

PORNOGRAFIA INFANTIL ? Brasileiro pode pegar 20 anos de cadeia

O “taxista” Luiz Carlos terá o seu julgamento no dia 21 de outubro

 

DA REDAÇÃO

Preso desde o início de julho, o “taxista” Luiz Carlos Francisco, 54 anos, que reside em Miami Beach, na Flórida, poderá ser condenado a 20 anos de prisão em regime fechado. Mesmo ele alegando inocência, a juíza Cecília M. Altonaga resolveu mantê-lo preso até o dia do seu julgamento, que acontece em 21 de outubro.

Luiz foi preso em seu apartamento depois de que a polícia local iniciou uma série de prisões de suspeitos de portar pornografia infantil. Esta megaoperação foi realizada por agentes do FBI em parceria com policiais de Imigração e outros órgãos federais.

O advogado do brasileiro, Craig Alan Brand, foi procurado pela mídia, mas se negou a comentar o caso. Os investigadores informaram que Francisco informou que trabalhava como taxista autônomo em uma declaração de falência assinada em 2011.

Segundo o detetive de polícia de Miami Beach, Jenny Velásquez, a investigação contra o brasileiro começou no dia 6 de março, quando um agente do FBI o informou que existia uma pessoa no condado estaria baixando e compartilhando vídeos de pornografia infantil. “Fomos informado de que alguém com o user name cric@ares seria este suspeito”, fala ressaltando que diante da denúncia, os policiais iniciaram os trabalho.

Depois de alguns meses de investigação, descobriram que o “cricri@ares” era acessado de um endereço de IP pertencente a um computador que ficava na residência do brasileiro. Os investigadores conseguiram ter acesso a vários materiais baixado por Francisco, entre eles um vídeo de uma jovem menor de idade, nua, coim um adulto em uma cama. Os dois mantinham relações sexuais.

De posse do material, os agentes foram até o apartamento de Francisco e o prenderam, além de confiscarem vários computadores e equipamentos de armazenamento digital. Caso ele seja considerado culpado, poderá ser condenado a até 20 anos de detenção.

Fonte: Brazilian Times